Salomão & Saturno I e o Encantamento das Nove Ervas

el-jardin-de-las-delicias-el-bosco-1480

Erudição e Poesia Encantatória na Inglaterra anglo-saxônica

Elton O. S. MEDEIROS

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo-USP. Research Fellow da University of Winchester (Inglaterra). Coordenador do NEIBRAM-Núcleo de Estudos Interdisciplinares das Ilhas Britânicas: Antiguidade e Medievo.

Bento Silva SANTOS (org.). Mirabilia 20 (2015/1) Arte, Crítica e Mística – Art, Criticism and Mystique – Jan-Jun 2015/ISSN 1676-5818

Resumo

Aqui se encontra a primeira tradução integral para língua portuguesa de um dos textos que compõe o conjunto documental conhecido como Os Diálogos de Salomão e Saturno, seguido também da primeira tradução de o Encantamento das Nove Ervas do manuscrito Lacnunga, todos do período da Inglaterra anglo-saxônica (séculos V-XI). Em uma análise paralela, esses textos talvez se revelem entre os mais enigmáticos e menos pesquisados – no caso do primeiro – pela tradição dos estudos anglo-saxônicos e estudos literários medievais. Com um conteúdo que mescla elementos do passado germânico, práticas mágicas populares anglo-saxônicas, elementos da cultura greco-latina e da literatura apócrifa judaico-cristã.

***

I. Introdução

Ao citar seu rei e senhor – Alfredo, o Grande (c. 849-899) – em sua obra A Vida do Rei Alfred, o monge galês Asser o descreve como um homem sábio, promotor das letras, da educação e da Cristandade. Claramente numa tentativa de aproximar e adequar a imagem de seu soberano à figura veterotestamentária de outro rei sábio: Salomão.

A emulação da imagem do rei Salomão durante a Idade Média é um fato amplamente conhecido, assim como de outras personagens bíblicas do Velho Testamento – como Davi, Moisés e Elias. Especialmente dentro da exegese bíblica e sua relação com o cenário político e teológico do medievo. Fato que (para os devidos fins e escopo ao qual este artigo se dedica e devido à fonte utilizada) se torna de extrema importância no cenário político da Alta Idade Média inglesa.

Além disso, dentro do contexto literário medieval, a personagem do rei Salomão acabou ganhando extrema importância em diversas histórias, em sua maior parte de inspiração apócrifa. Onde a sabedoria do rei é marcada não apenas pelo seu conhecimento secular, mas também a respeito dos designíos divinos e em como emprega-los no combate e o controle de seres malignos, de demônios.

Ao longo de toda a Idade Média se desenvolveu uma tradição de textos retratando o rei Salomão como detentor de conhecimentos e poderes místicos; textos que continuaram a se desenvolver até o período moderno. Entretanto, o que não é muito conhecido é que uma das primeiras referências ao rei veterotestamentário dessa maneira no Ocidente surge na Inglaterra alto-medieval, por volta do século X e XI. No conjunto documental de textos conhecido atualmente como Os Diálogos de Salomão e Saturno.

Neste presente trabalho apresentamos a primeira tradução feita para a língua portuguesa a partir de seu original em inglês antigo de um dos textos que compõe Os Diálogos de Salomão e Saturno, onde o rei Salomão surge ensinando à personagem de Saturno como empregar as letras do Pai Nosso e seus paralelos com as runas anglo-saxônicas para derrotar o Demônio. O poema denominado Salomão & Saturno I.

A obra, como veremos, possui claramente influências fruto de uma erudição presente na Inglaterra da época e que possibilitou o florescimento de toda uma cultura literária – especialmente no Sul, em regiões, por exemplo, ligadas a comunidades religiosas como a de Glastonbury – que foi um traço marcante do período da “baixa Inglaterra anglo-saxônica” ou período alfrediano (fins do século IX ao XI). Ao mesmo tempo, será possível notar fortes semelhanças com elementos ou características que seriam comuns a outros textos, compostos também em inglês antigo e contemporâneos ao Salomão & Saturno I, e que por sua vez estão ligados às fórmulas e práticas mágicas populares.

Portanto, como forma de estabelecer um paralelo, encontra-se aqui também a primeira tradução para o português do poema Encantamento das Nove Ervas. Através do qual será possível observar as similaridades temáticas e do modus operandi presente em ambos os textos na busca pela eliminação de influências malignas sobre as pessoas.

Parte de nossas considerações a respeito de Salomão & Saturno I foram previamente abordadas no artigo “O Poder das Letras: cristianismo e magia no Pater Noster anglo-saxão”. Entretanto, no atual artigo pretendemos, além de trazer a tradução do documento, explorar pontos e elementos que não nos foi possível anteriormente. Logo, o trabalho que aqui se encontra serve como um complemento ao artigo supracitado, na esperança de oferecer uma visão mais ampla da obra em questão.

45n_the-concert-in-the-egg

II. Manuscrito, origem e datação

II. a. – Salomão & Saturno I

O poema Salomão & Saturno I faz parte do conjunto documental conhecido como Os Diálogos de Salomão & Saturno distribuídos nos manuscritos Corpus Christi College Cambridge 41 e Corpus Christi College Cambridge 422 e no Cotton Vitelius A. XV. Em todos eles, é relatada uma conversa sobre assuntos diversos entre o rei bíblico e a suposta antiga divindade pagã, diferindo entre si quanto à forma – ora prosa ora poesia – e as informações; por exemplo: em Salomão & Saturno I temos o rei Salomão ensinando a fórmula do Pater Noster a Saturno, já em Salomão & Saturno II e em uma das versões de Salomão e Saturno em prosa temos um tipo de diálogo/competição de teor sapiencial sobre temas apócrifos bíblicos.

Da documentação literária do período em questão, esta talvez se revele uma das mais enigmáticas e ao mesmo tempo menos pesquisadas pela tradição dos estudos anglo-saxônicos. Com a exceção de artigos científicos específicos, o último trabalho com tal documentação de forma mais ampla data de 1848 por John M. Kemble. Isso pode se justificar devido à natureza singular e a complexidade dos textos.

Os textos que ao todo compõe os Diálogos de Salomão & Saturno (e seus respectivos manuscritos) são:

– Os 94 primeiros versos do poema Salomão & Saturno I (MS. CCCC 41).
– O poema Salomão & Saturno I (a partir do verso 30 até seu final), Salomão & Saturno: Pater Noster em Prosa, Salomão & Saturno: Fragmento Poético e o poema Salomão & Saturno II (todos no MS. CCCC 422).
Salomão & Saturno em Prosa (MS. Cotton Vitelius A. XV).

Como podemos ver, o poema SalSatI – foco deste artigo – se encontra de forma fragmentária nos manuscritos CCCC 41 e no CCCC 422.

O mais antigo dos dois manuscritos, o CCCC 422, além dos textos referentes aos Diálogos de Salomão & Saturno, contém também material litúrgico. Pode-se dividir o manuscrito em duas partes. A Parte A consiste nos textos referentes a Salomão & Saturno, escritos com a caligrafia de um mesmo autor e datados de meados do século X. Já a Parte B é maior que a Parte A e consiste no que poderíamos considerar como um missário; datado de por volta de 1060. A reunião de tais textos em um único manuscrito talvez indique que o objetivo seria de criar uma compilação de textos ligados à liturgia, a prática e talvez até mesmo à história cristã.

Já o CCCC 41 é de natureza diversa e, quiçá, mais intrigante. Da mesma forma que CCCC 422, ele também consiste em duas partes. Contudo, essas partes são na verdade estágios de composição da escrita do manuscrito e não a reunião de manuscritos numa única encadernação. A primeira parte do manuscrito é a famosa tradução ou versão da Historia Ecclesiastica Gentis Anglorum de Beda para o inglês antigo; erroneamente atribuída ao rei Alfred o Grande. Este consiste no texto principal e se estende por todo o volume. A segunda parte – onde se encontra SalSatI – é uma série de textos em latim e inglês antigo escritos nas margens do texto principal ao longo de todo o manuscrito.

O texto de Beda foi compilado claramente por duas caligrafias diferentes, enquanto os textos das margens por uma única caligrafia, diferente das responsáveis pela Historia Ecclesiastica. Esses textos das margens, de forma geral, podem ser classificados em três categorias gerais: orações em latim, de caráter litúrgico e martirológico; homilias em inglês antigo, que também se aproximam da liturgia; e encantamentos e fórmulas mágicas em latim e inglês antigo.

Dentre essas fórmulas e encantamentos se encontra uma receita para se tratar os olhos, poemas encantatórios contra abelhas, para uma jornada segura e para gado roubado e uma fórmula usando as palavras SATOR AREPO na forma de um acróstico PATER NOSTER para garantir um bom parto. O fato de SalSatI se encontrar entre os textos das margens de CCCC 41, especificamente entre tais fórmulas e poemas encantatórios, sugere que o responsável por tal compilação teria incluído o fragmento do poema considerando-o também um tipo de encantamento.

Baseado em indícios físicos e da história conhecida dos manuscritos, supõe-se que o manuscrito CCCC 422 seja datado como sendo de c. 930 – 950; enquanto o manuscrito CCCC 41 seria de início do século XI. Evidências linguísticas, estilo e os temas abordados, sugerem que sua composição tenha ocorrido por volta de meados do século X – o que confirma a datação de CCCC 422 – por um autor familiarizado com o dialeto da região de Wessex. Não é possível dizer se os textos seriam obras de um mesmo autor. Porém, no caso de diversos autores, devido a similaridades e idiossincrasias presentes nos textos, é possível ao menos dizer que eles poderiam ser fruto de um mesmo círculo intelectual cujos autores se conheciam e trabalharam talvez em conjunto em sua produção. Cientes do trabalho que os demais realizavam.

Além disso, outros elementos nos dão maiores indícios sobre sua origem. Quanto ao fragmento em CCCC 41 persiste o mistério e existem poucos indícios que apontem para uma elucidação. Entretanto, palavras oriundas do latim presentes nos textos de CCCC 422 e adaptações para o idioma latino que indicam ser a partir do grego apontam uma forte possibilidade de sua origem como as comunidades do sul da Inglaterra, como Winchester e Glastonbury.

Apesar de tais indícios e similaridades entre os textos, respectivamente sobre SalSatI, é necessária cautela. É comum considerar que os dois fragmentos de CCCC 41 e 422 compõe um único texto, uma vez que tudo indica que eles descrevem uma mesma narrativa a cerca de Salomão ensinando a Saturno os segredos do Pater Noster. Fato que se faz presente, por exemplo, na transcrição e organização do poema realizada por Elliot van Kirk Dobbie, que unificou os fragmentos como um único texto. Dobbie sugere que o poema SalSatII poderia ser na verdade uma imitação de SalSatI, alegando que este último – aliado à versão em prosa do Pater Noster presente em CCCC 422 – teria inspirado o poeta a reconstruir o diálogo entre as personagens na forma de um tipo de competição de conhecimentos, uma vez que (segundo Dobbie) este tipo de elaboração literária era amplamente conhecida na tradição germânica medieval; e que muitos trechos em SalSatII seriam derivados de uma tradição literária de enigmas e charadas, assim como também oriundos de obras teológicas latinas e demonologia. Contudo, Robert J. Menner discorda dessa hipótese.

Em sua edição de SalSatI, diferentemente de Dobbie, Menner apresenta os dois fragmentos separadamente. Ele identifica nos textos a importância da utilização do Pater Noster, o uso cristão de elementos orientais e germânicos e a forma literária utilizada em forma de diálogo e a utilização de enigmas e adivinhações (típicas da tradição anglo-saxônica). Contudo, Menner defende que os poemas não seriam uma mesma obra, mas sim cópias independentes de um suposto original. Ele também faz uma distinção entre SalSatI e SalSatII, sendo o último – em sua opinião – muito mais refinado e complexo; enquanto o SalSatI seria uma obra de inspiração meramente supersticiosa e até mesmo infantil.

Segundo Menner, os poemas poderiam ter como ponto de partida alguma versão em latim (com influências irlandesas) que por sua vez se basearia em originais gregos. O importante a se ressaltar na edição de Menner é que os fragmentos de SalSatI presentes em CCCC 41 e em CCCC 422 são apresentados separadamente. Apesar da semelhança quanto sua temática e realmente parecer se tratar de uma mesma narrativa, ambos apresentam pequenas divergências, mas suficientes para sermos obrigados a ser cautelosos ao lidar com os textos. E definitivamente evitar encará-los como se fosse certo de que se trata de uma única e mesma obra.

Em síntese, os fatores que nos auxiliam a estabelecer uma origem para os textos é a evidência já mencionada de que o dialeto utilizado para a composição dos mesmos ser o da região de Wessex (sul da Inglaterra). Diferentemente de Dobbie e Menner, estudos mais recentes concordam que os três textos poéticos (os dois fragmentos de SalSatI e o texto de SalSatII) são provavelmente produções originais compostas diretamente em inglês antigo, apesar de ser evidente o conhecimento do latim por parte de seus autores.

Especificamente falando de SalSatI, é possível encontrar uma forte influência de vocabulário latino, assim como o uso de jogos de palavras e muito provavelmente também a influência de língua grega. Além disso, o pesquisador Daniel Anlezark demonstrou como é possível identificar sem grande dificuldade influências da literatura e cultura intelectual hiberno-latina na composição dos textos. Ao reunirmos todos esses indícios, um dos locais de origem mais provável seria Glastonbury durante o governo do rei Athelstan (c. 924-939).

Glastonbury era um dos principais centros intelectuais e religiosos do sul da Inglaterra do século X e um dos com maior influência intelectual irlandesa da época. O que nos indica não apenas um local como pode nos indicar também uma personagem que poderia estar ligada a esse tipo de produção, pois é sabido que exatamente durante esse mesmo período em Glastonbury foi quando viveu São Dunstan (c. 909-988); figura que teve um papel de destaque na história da Inglaterra anglo-saxônica (especialmente durante os governos do rei Edgar e Æthelred II e sua relação com a Reforma Beneditina na Inglaterra).

Talvez o responsável por um ou mais desses textos – especialmente do CCCC 422 – pudesse ser São Dunstan, ou ao menos alguém próximo a ele, como veremos mais adiante. Sem contarmos com o fato de que em Glastonbury, certamente, obras como essas dos Diálogos de Salomão & Saturno teriam um público interessado por tais assuntos e pela temática utilizada nos poemas.

II. b. – O Encantamento das Nove Ervas

O Encantamento das Nove Ervas, por sua vez, ao contrário de SalSatI, já foi muito estudado ao longo da história dos estudos anglo-saxônicos. O que, entretanto, não resultou necessariamente em uma maior elucidação de sua origem. O texto em questão se trata de um poema encantatório acompanhado de um pequeno trecho em prosa, onde é descrito os procedimentos a serem tomados para a realização de uma cura contra envenenamento. Em outras palavras, o Encantamento das Nove Ervas seria um galdor, um tipo de rito mágico-medicinal anglo-saxônico.

O texto encontra-se no manuscrito British Library Harley 585 (BL Harley 585), ou como passou a ser mais comumente conhecido: Lacnunga25. Podemos dizer que o Lacnunga pertence a uma tradição de textos do qual também faz parte manuscritos anglo-saxônicos como o Herbarium Apuleius e o Medicina de Quadrupedibus (ambos voltados à utilização de ervas e componentes de animais para os mais variados tipos de doenças e males físicos), o Peri Didaxaeon (que visa crenças e doenças referentes a males físicos e perturbações mentais) e o Manual de Byrhtferth (um tratado sobre os quatro tipos clássicos de “humores” e uma visão do macrocosmo e do microcosmo como a base para a prática médica). E também o Bald’s Leechbook e o Leechbook III; assim como o Lacnunga, todos contêm fórmulas e encantamentos populares que mesclam práticas mágicas e medicinais com elementos de fundo religioso pagão e cristão. Fazendo parte assim do que se conhece como a tradição dos leechbooks.

25 Em inglês antigo lacnunga significa simplesmente “receitas”, “remédios”, “fórmulas”.

Sabemos que o manuscrito do Lacnunga teria sido composto por volta do ano mil e indícios paleográficos apontam que ao menos duas pessoas estiveram envolvidas em sua produção. Além disso, em função de várias imprecisões e erros presentes nos textos, acredita-se que o manuscrito seja uma cópia de um material mais antigo, talvez de fins do século VIII e início do IX. Ao contrário de outros manuscritos com conteúdo similar, o Lacnunga não possui um índice e ao que parece talvez nunca tenha sido a intenção original torna-lo um livro propriamente dito.

As informações contidas nele parecem ter sido inseridas aleatoriamente, sem um maior cuidado e seleção do material a ser registrado. Como se conforme novas fórmulas e receitas fossem surgindo elas iam sendo incluídas no manuscrito original, como um livro de anotações.

Diferentemente também de outros manuscritos contemporâneos a ele, o Lacnunga é um dos que apresenta o maior número de elementos de práticas populares, juntamente com o Leechbook III. Enquanto outros manuscritos trazem uma forte influência do mundo mediterrâneo – influência latina e, especialmente, grega – no Lacnunga temos elementos que são “nativos” e de estratos mais populares do mundo anglo-saxônico e que se fazem presentes de forma majoritária ao longo do manuscrito.

Isso pode causar certos problemas quanto ao estudo de tais textos devido à complexidade do tema que eles envolvem. Por exemplo, em sua abordagem sobre os leechbooks, M. L. Cameron acaba por vezes aplicando uma metodologia de pesquisa anacrônica sobre os documentos. Analisando-os da mesma forma que um texto de medicina moderna. O que não faz o menor sentido.

Em certo momento, ao comparar os elementos presentes nos manuscritos com maior influência do mundo clássico e os demais, ele argumenta que textos como o Lacnunga seriam “menos sofisticados”, repletos de “erros médicos” no que se refere ao diagnóstico de doenças e seu tratamento. Podemos dizer que o erro aqui é o de tentar encarar tais textos de um ponto de vista estritamente técnico da área médica moderna, se esquecendo de todo o contexto histórico ligado a eles.

Uma das principais razões que melhor pode esclarecer isso é o fato de que tais práticas populares, presentes em manuscritos como o Lacnunga e o Leechbook III, de modo geral, não envolvem um tratamento direto com o corpo do “paciente”. A preocupação em tais práticas não está voltada para sanar a vítima, mas sim no combate dos sintomas e das causas do malefício como se essas fossem personificações do mal em questão.

Como um exorcista que está em confronto com a entidade que se apossou do corpo da pessoa, mas não contra o corpo da vítima em si. Isso porque a etiologia de tais práticas médico-encantatórias é de natureza sobrenatural; as causas são em geral sempre agentes externos como elfos, anões e demônios. Sendo assim, uma analise puramente científica e moderna não é capaz de lidar sozinha com esse tipo de material, uma vez que seu conteúdo vai além do escopo do conhecimento biológico e adentra o campo da história das mentalidades e das sensibilidades do período em questão.

Para lidar contra tais males, os textos contidos no Lacnunga se valem de fórmulas e encantamentos aliados a outras práticas. Como ler ou entoar um verso seguido de alguma passagem bíblica (como um salmo ou um trecho dos Evangelhos), seguida de algum tipo de intervenção física (aplicação de ervas, por exemplo).

No caso do Lacnunga, podemos encontrar – entre outros textos – seis poemas encantatórios dessa natureza. Os mais conhecidos e que mais atraíram a atenção de estudiosos ao longo do tempo, principalmente devido aos elementos mitológicos que eles contêm, são os poemas encantatórios Contra Dor Penetrante (Wiþ færstice) e o já mencionado Encantamento das Nove Ervas (sem título em inglês antigo).

Bosch, Epiphany 1475-80.jpg

III. Sinopse das Obras

O conteúdo de SalSatI e EncNE se encontra entre alguns dos mais enigmáticos da literatura em inglês antigo. Mesclando elementos da cultura clássica, cristã e de estratos mais populares, ou melhor, de uma tradição folclórica. Um dos fatores que pode ter contribuído para a dificuldade ao lidar com tais textos desde finais do século XIX e parte do século XX talvez se encontre no fato deles lidarem com temáticas que até não muito tempo atrás eram costumeiramente marginalizadas pelo meio acadêmico: o estudo de práticas mágicas e elementos ligados à história do esoterismo ocidental.34

34 O termo “Esoterismo Ocidental” passou a ser empregado nas últimas décadas pelo meio acadêmico como uma expressão generalizante referente a um horizonte vasto de assuntos e temas (como magia, ocultismo, hermetismo, alquimia, bruxaria) até então descartados e muitas vezes repudiados pelo mundo acadêmico mais tradicional como meras superstições, curiosidades e até mesmo pseudociência. Entretanto, no final do século XX iniciou-se um processo de reabilitação de tais temáticas-especialmente na França, Inglaterra e Holanda – e o reconhecimento de sua importância dentro da História, Antropologia, Sociologia e Psicologia, entre muitas outras disciplinas, para os estudos voltados às mentalidades, religiosidades, sociedade, semiótica e etc. Uma excelente introdução ao assunto e sua importância para o mundo acadêmico é a obra HANEGRAAFF, Wouter J. Western Esotericism: A guide for the perplexed, Nova York: Bloomsbury, 2013.

Muitas vezes limitando a análise de tais obras apenas ao campo do estudo paleográfico e linguístico, que por sua vez serviam como as únicas ferramentas para o trabalho historiográfico. Em suma, limitando o olhar do pesquisador para a totalidade do potencial de informações existentes nas fontes.

III. a. – Salomão & Saturno I

Em SalSatI nos é apresentado, como explicitado anteriormente, o encontro entre a personagem veterotestamentária do rei Salomão e um nobre visitante de nome Saturno.

Saturno em SalSatI não se apresenta exatamente como a antiga divindade greco-latina, mas como um nobre caldeu que decidiu percorrer o mundo em busca de conhecimento e sabedoria. Porém, apesar de tudo o que pode aprender em suas viagens, ainda lhe falta o que ele considera o conhecimento mais importante de todos: o poder do Pater Noster. Ao saber que o rei Salomão detém tal conhecimento, Saturno se dirige à sua corte e implora ao rei que lhe ensine o segredo do Pater Noster em troca de qualquer coisa que Salomão desejar (por exemplo, Saturno chega a oferecer ouro e até mesmo seus filhos em troca de tal informação).

Salomão decide então lhe ensinar sobre os poderes do Pater Noster, explicando sobre sua importância para os homens e sua relação com Deus e como utilizá-lo. Entretanto, como fica claro ao longo da leitura do poema, o Pater Noster que Salomão fala a respeito não é a oração cristã do Pai Nosso, mas o poder que as letras que compõe o nome possuem para o enfrentamento contra o demônio. O rei Salomão explica a Saturno cada uma das letras e o poder que cada uma possui. No decorrer do poema também fica evidente que as letras empregadas não são exatamente as mesmas que compõe as palavras Pater Noster.

Mesmo assim, cada uma desempenha um papel importante e o confronto no qual elas tomam parte se torna algo físico (perfurando a língua do demônio e quebrando suas pernas, por exemplo) e ao mesmo tempo, no CCCC 422, tais letras são associadas aos seus equivalentes em runas anglo-saxônicas (futhorc). O poema termina com Salomão alertando Saturno a respeito das artimanhas dos demônios, em como eles são capazes de se disfarçar e metamorfosear para causar o mal a pessoas e animais, e em como o uso do poder do Pater Noster é útil para neutralizar tal influência maligna.

Concluindo ao dizer que é possível que demônios amaldiçoem a espada de um guerreiro, gravando inscrições maléficas na lâmina, o que levaria não apenas à derrota como a morte de quem a empunhasse. Portanto, antes de sacar da arma seria sempre prudente usar as letras do Pater Noster e assim se proteger do mal.

III. b. – O Encantamento das Nove Ervas

Em o EncNE o que temos é um galdor, um encantamento para combater o efeito de venenos com a utilização de ervas específicas. Ainda que não necessariamente todas sejam de fato “ervas”; por exemplo, uma delas na verdade é a maçã. De qualquer forma, o poema descreve o poder de cada uma delas contra venenos específicos. Isso é feito não simplesmente de maneira descritiva, mas o poema evoca o poder de tais ervas as personificando como verdadeiras entidades para o embate contra os venenos. E ao fazer isso, em alguns casos há o breve relato de algum acontecimento que ilustra o poder da erva em questão no passado, mas que é muito pouco esclarecedor ao leitor moderno do poema.

Tais referências ocorrem, por exemplo, ao se falar da camomila e o episódio quando ela teria sido utilizada em um local de nome Alorford. É possível que passagens como essa estejam rememorando fatos de lendas ou mitos do passado anglo-saxônico, mas que se perderam ao longo do tempo até os dias de hoje. Ainda no campo mitológico, temos a passagem que tanto atrai a atenção ao EncNE que é a menção ao deus Woden e seu poder de cessar o poder dos venenos e destruir uma serpente, responsável por trazer o malefício consigo.

Ao final do poema segue um trecho em prosa onde é descrito o procedimento a ser tomado para a realização do encantamento. Instruindo a como usar e transformar os ingredientes num tipo de pasta ou unguento e aplica-lo no paciente enquanto o poema é entoado, como parte do ritual.

the-temptation-of-st-anthony-the-painting-by-hieronymus-bosch

IV. Composição e Temática

Uma das primeiras considerações a se fazer sobre SalSatI e o EncNE é a respeito de suas similaridades. Como é claro, os poemas diferem entre si quanto ao tema principal. Entretanto, ambos partilham a característica de contar com uma fórmula a ser usada para o combate de influências malignas. É necessário, todavia, esclarecer que SalSatI não é exatamente uma fórmula mágica, mas ele contém uma narrativa que claramente remonta à tradição “mística”, ou quiçá esotérica, tanto de fundo cristão greco-latino quanto do passado germânico. O poema não é uma fórmula mágica, mas se porta como tal. A fórmula do Pater Noster, mais precisamente, que o rei explica a Saturno, funciona como uma adjuração ou no mínimo uma fórmula de proteção.

Um elemento essencial para a tradição cristã, o conhecimento do Pater Noster (“Pai Nosso”) durante o período medieval consistia em uma das ferramentas principais para a catequese. Na Inglaterra anglo-saxônica, no que consiste em seu aprendizado e compreensão, isso pode ser visto na produção literária, onde podemos encontrar três poemas que sobreviveram até nossos dias: Oração do Pai Nosso I (que é uma tradução literal do latim para o inglês antigo da oração dos Evangelhos), e o Oração do Pai Nosso II e Oração do Pai Nosso III. Outros textos do período também contém uma variedade de elementos voltados à catequese, na forma de adivinhações e provérbios e diálogos que se aproximam de os Diálogos de Salomão & Saturno.

Ao mesmo tempo, o Pater Noster dos Diálogos de Salomão & Saturno se aproxima muito do formato de orações de proteção como as loricas37. Principalmente a respeito do emprego de uma terminologia marcial como forma de defesa contra ataques espirituais. O que também nos faz lembrar a influência da tradição da Psychomachia de Prudêncio na Inglaterra anglo-saxônica e sua proximidade com o estilo encontrado em tais fórmulas. Todos esses indícios aproximam tais textos do estilo de catequese irlandesa da Antiguidade Tardia e início da Idade Média.

37 Loricas se aproximam muito de fórmulas encantatórias. Por exemplo, a Lorica de São Gildas até mesmo aparece em um dos textos do Lacnunga. A Lorica de São Patrício também é uma das mais conhecidas e, ao observarmos com maior atenção, é possível notar que muitos elementos de SalSatI refletem características de tais loricas.

Onde esse tipo de oração tornou-se um tipo geral de proteção, sendo o Pater Noster considerado especialmente eficaz contra influências satânicas. Durante o período aqui retratado, o final da oração do Pai Nosso – “Sed libera nos a Malo” – era interpretado pela Igreja como uma referência direta ao Demônio, Satã. Sendo assim, a utilização da ideia do poder do Pater Noster aplicado como um tipo de lorica e/ou uma fórmula de proteção como encontrada em SalSatI seria absolutamente compreensível.

Essa possível influência do cristianismo irlandês se faz ainda mais claro ao analisar os demais textos do conjunto dos Diálogos de Salomão & Saturno, onde temos trechos e períodos completos nos textos que são claramente inspirados (ou até mesmo uma cópia) de textos da tradição hiberno-latina, como o Catechesis Celtica.

No Catechesis Celtica, um exemplo pode ser visto quando o texto retrata o Pater Noster como um martelo que conduz as sete súplicas realizadas na oração do Pai Nosso, mas as transformando em sete lanças que irão atacar sete vícios; o que novamente se revela um paralelo a SalSatI e a obra de Prudêncio. Outro exemplo ainda no Catechesis Celtica pode ser encontrado em um confronto contra o Demônio na forma de diálogo:

Diabolus enim dixit: Nescio Deum!Nos humiliter dicere iubemur: Pater noster qui est in celis. Diabolus dixit: Ero similis altissimo. Nos dicimus: Adueniat regum tuum. Diabolus dixit: Super astra Dei solium meum exultabo. Nos dicimus: Fiat uoluntas tuas sicut in celo et in terra.40

40 [“Pois o Demônio disse: Eu desconheço Deus! Foi-nos ordenado para dizer humildemente: Pai nosso que estais no céu (Mateus 6, 9). O Demônio disse: Serei semelhante ao Altíssimo (Isaias 14, 14). Nós dizemos: Venha o teu Reino (Mateus 6, 10). O Demônio disse: Acima das estrelas de Deus colocarei meu trono (Isaias 14, 13). Nós dizemos: Seja feita a Tua vontade assim na terra como no céu (Mateus 6, 10).”].

Podemos encontrar ecos desta passagem do Catechesis, por exemplo, em SalSatII e também no Salomão & Saturno: Pater Noster em Prosa. Textos de conteúdo muito similar também serão encontrados entre obras de catequese em diversos manuscritos da mesma época em centros de origem insular no Continente. Em tais textos é comum a referência ao Pater Noster e suas sete súplicas na forma de uma árvore de sete ramos, o que se alinha perfeitamente à imagem presente no SalSatI.

A crença medieval dos poderes do Pater Noster poderia levar a população em geral a uma difícil distinção de seu uso como oração e como uma prática mágica. Tornando-o as duas coisas ao mesmo tempo. Como é o caso em SalSatI e outros textos em inglês antigo. Ainda sobre as influências hibérnicas na composição da temática de os Diálogos de Salomão & Saturno, em irlandês antigo vamos encontrar outro exemplo do uso do Pater Noster extremamente similar ao de SalSatI.

No texto Geinemain Molling ocus a Bethae, temos um uso do Pater Noster como um misto de lorica e encantamento. Nessa versão, palavras e frases da oração original do Pater Noster são evocadas para confrontarem demônios, a morte e outros males, como em SalSatI e seu uso das letras e runas no combate contra o demônio.

Na tradição irlandesa, hinos, cânticos e salmos eram reproduzidos em manuscritos e, não raro os casos, acompanhados de descrições que confirmavam sua eficácia como fórmulas encantatórias contra ameaças espirituais e físicas para aqueles que os dissessem em voz alta. Para ilustrar este exemplo, e uma vez que o Pater Noster do Geinemain Molling ocus a Bethae é extremamente raro de se encontrar na bibliografia sobre o tema (e até onde sabemos, nunca antes reproduzido em língua portuguesa), transcrevemos aqui o texto na íntegra:

[“Pater noster é para mim contra todas as coisas horríveis!/ Que comigo esteja meu paternoster: com os deles estejam os deles (…) / Qui es in caelis, Ó Deus vivo, para proteger-me do mal: / dos demônios com muitos pecados possa sanctificetur proteger-me!/ Nomem tuum sempre esteja comigo, e adueniat seja meu último recurso, / regnum tuum esteja comigo numa expedição, e panem nostrum antes de uma jornada. / Quotidianum todos os dias e da nobis a partir de Deus, / para que Ele não me permita ser deixado para trás Dele oremos dimitte nobis. / Debita mostra de forma que eu alcançarei, juntamente com sicut et nos / dimittimus comigo para fatiga, debitoribus nostris. / Para encontrar a morte se ela é vista: eu rogo ne nos inducas, / para que demônios não tomem vantagem de mim eu rogo in temptationem. / Sed libera nos a malo, possa meu Amigo ainda me salvar. / Quando minha sina está determinada, possa eu lembrar-me amen. / Pois rogando a ti, ó Deus dos céus, ao pedir a Ti e por orar a Ti / possa eu obter uma pura e brilhante vida orando ao pater. / Os homens do mundo, seja qual for o número deles, ainda que eles todos cometam erros, / o credo deles e o paternoster deles os protege através de pura abundância. / A intercessão de Maria com seu Filho por Sua natureza divina, por Sua virilidade, / de forma que as sete partes do paternoster possam claramente se concretizar através de mim. / Os homens do mundo, seja qual for o número deles, ainda que eles todos cometam erros, eles irão para o céu se eles rezarem os seus paternoster. Não como (…) não como a manhã brilharia, / não como (…) com ele que se lembra de seu paternoster”].

Aqui o Pater Noster é apresentado em um formato que lembra muito encantamentos onde cada uma das palavras e frases são conclamadas a agirem contra influências malignas como em EncNE e SalSatI: “E aquele que veementemente cantar a palavra de Deus, cuidadosamente e sempre carinhosamente sem falsidade, ele pode fazer com que o odiado companheiro, o inimigo lutador, venha a fugir (…)”, SalSatI, versos 84-87.

Na Inglaterra, a mesma ideia a respeito dos poderes do Pater Noster como um tipo de encantamento de proteção era também comum. Ælfric de Eynsham (c.955-1010), por exemplo, aprovava o seu uso e também, da mesma forma, recitava o Credo como orações de proteção de forma semelhante às fórmulas encontradas no Lacnunga e na tradição irlandesa.

Outro aspecto que chama a atenção na temática de SalSatI é quanto seu aspecto de incorporar uma personificação marcial. Isso se faz mais claro nos demais textos do manuscrito CCCC 422, mas mesmo assim é possível ver que, independente do poder individual de cada uma das letras, o próprio Pater Noster parece possuir ou agir de forma como uma personagem completa através das letras reunidas ao ser usado para enfrentar o mal, lembrando poderes que seriam mais comuns a um anjo parte das hostes celestiais, especialmente um arcanjo.

Talvez não por acaso nas margens do CCCC41 há uma homilia em inglês antigo a respeito de São Miguel, onde a caracterização do arcanjo é muito similar quanto a seus poderes aos do Pater Noster dos Diálogos em seu combate contra as trevas. O ponto de maior similaridade com SalSatI (versos 36-42) é sobre o poder de São Miguel de abrir as portas do céu: “Þis is se halga heahengel Sancte Michael, se ðe onre gewilces soðfæstes mannes saule gelædeð þurh þa gatu þæs ecan lifes to hefena rice”.47

47 [“Este é o santo arcanjo São Miguel, ele conduz as almas de todos os homens verdadeiros através dos portões da vida eterna para o reino dos céus”], outra passagem muito interessante da mesma homilia e que chama a atenção para a temática de SalSatI é: Þis is se halga heahengel Sancte Michael, and se æþela forestihtend in þæra cræftena handa Salamones templ timbredon [“Este é o santo arcanjo São Miguel e o nobre comandante das mãos daqueles artesãos que construíram o templo de Salomão”].

A mesma passagem de SalSatI também encontra paralelo em outras duas fontes hiberno-latinas e de forma quase idênticas ao poema em inglês antigo, com apenas algumas poucas divergências. Uma está presente na Catechesis Celtica e a outra passagem seria no comentário de Sedulius Scotus sobre Mateus:

Haec [sc. Oratio Dominica] tumorem superbiae comprimit, iracundiae quoque atque inuidiae furorem refrenat, inpetus carnis atque libidinem extingit, a terrenis mentem auocat, desiderium regni caelestis incendit.48

48 [“Esta [a Oração do Senhor] reduz a exaltação da soberba, detém também o furor da ira e da inveja, extingue o ímpeto da carne e da luxúria, afasta a mente das coisas terrenas, fomenta o desejo pelo reino dos céus”].

Outras claras influências não apenas para SalSatI mas para todo o conjunto documental dos Diálogos é de origem apócrifa. A literatura apócrifa na Inglaterra é de extrema importância para a produção literária anglo-saxônica, tanto em prosa quanto em verso. No caso dos elementos que envolvem a temática e a composição dos Diálogos de Salomão & Saturno, é possível argumentarmos que tais fontes apócrifas tenham chegado até a Inglaterra por duas vias principais da tradição cristã.

Através da influência irlandesa, da tradição hiberno-latina a partir dos séculos VII e VIII, e por meio da Escola de Canterbury dos tempos do arcebispo Teodoro (século VIII). E em ambos os casos tendo como fontes de origem elementos da cultura clássica e da tradição rabínica.

Existem evidências o bastante nas fontes anglo-saxônicas que comprovam o vasto conhecimento na Inglaterra da Alta Idade Média sobre a Antiguidade Clássica. Nos textos dos Diálogos de Salomão & Saturno essa influência se faz presente através da personagem de Saturno, ainda que em uma caracterização muito pouco usual.

Enquanto a identificação de Salomão com o rei veterotestamentário e seu conhecimento e sabedoria divina seja claríssima, Saturno é uma figura que surge nas fontes do período da Alta Idade Média de maneira nebulosa, sob diversas formas e representações. Uma de suas aparições na Inglaterra anglo-saxônica é na homilia de Ælfric de Eynsham, De Falsis Diis, onde Saturno é apresentando de um ponto de vista evemerista:

“Ainda assim, os pagãos não estavam satisfeitos com tão poucos deuses, mas buscavam por venerar muitos gigantes e homens como seus deuses, aqueles que eram poderosos em coisas terrenas e aterrorizantes em vida, apesar deles terem vivido de forma torpe. Um homem vivia na ilha de Creta, chamado Saturno; era violento e cruel, tanto que ele devorou seus filhos quando eles nasceram, e diferentemente de um pai ele fez de seus corpos seu alimento. Entretanto, ele deixou um com vida, apesar de anteriormente ele ter comido seus irmãos; ele era chamado Jove, hostil e poderoso. Ele expulsou seu pai daquela ilha mencionada anteriormente, e pretendia mata-lo caso viesse até ele”.

Apesar disso, o Saturno de Ælfric não parece representar o mesmo que surge perante o rei Salomão em busca do Pater Noster. Em SalSatI é explicitado que ele possui doze filhos e é um nobre viajante oriundo da Caldeia e não um exilado de Creta. Assim, o autor de SalSatI não estaria nem um pouco preocupado com qualquer tipo de lapso cronológico e espacial; mesmo porque tal fato é extremamente comum na literatura do período. Onde tribos, nações e personagens menores acabam sendo postos de lado em favor de outros que – mesmo de períodos completamente diversos – são amalgamados dentro de uma mesma narrativa em um tipo de momento mítico do passado, in illo tempore.

Logo, esse elemento em SalSatI não chega a ser algo inusitado. O que chama a atenção na verdade é como ele é apresentado no poema. A descrição de Saturno como um caldeu possui diversas implicações. Desde a antiguidade que, entre gregos e romanos, os persas eram considerados como os primeiros povos a serem iniciados nas artes mágicas. Entretanto, os antigos caldeus também partilhavam da mesma fama, como conhecedores da astrologia e habilidades mágicas. Em algumas fontes, por exemplo, o lendário Zoroastro era considerado um caldeu em função de sua sabedoria e dos conhecimentos mágicos que lhe eram atribuídos. Assim sendo, o Saturno de SalSatI estaria implicitamente ligado a conhecimentos pagãos e práticas mágicas.53

53 Além disso, os caldeus possuíam, em função de fontes bíblicas, uma reputação como os destruidores de Jerusalém e sua crueldade como instrumentos da ira divina era um motivo recorrente em fontes insulares.

A identificação de Saturno como caldeu possivelmente deriva da interpretação de Isidoro de Sevilha, que o identifica como Bel/Baal, o primeiro rei dos assírios e que era adorado como um deus. Esta identificação surgirá também no capítulo 35 da versão em inglês antigo da Consolatione Philosophiae de Boécio, onde o confronto mitológico da Titanomaquia é visto como sendo na realidade uma interpretação deturpada do episódio da Torre de Babel. Interpretações como essa da Consolatione Philosophiae em inglês antigo eram não apenas conhecidas nos principais centros intelectuais do sul da Inglaterra como foi em locais como esses que provavelmente ela foi produzida.

Assim, esse paralelo entre Saturno e a Caldeia era conhecido pelos responsáveis por SalSatI. Isso pode ser reforçado pela presença de outras fontes presentes no cenário intelectual anglo-saxônico que também podem ter contribuído para a construção de uma personagem como Saturno dos Diálogos, como o De Nuptiis Philologiae et Mercurii de Marciano Capella – onde Saturno é descrito como detentor de grandes poderes e uma aparência extremamente ameaçadora (possuindo característica de dragão, leão e outras feras) – e o Comentarii in Somnium Scipionis; de Macróbio – onde Saturno é associado à razão e ao aprendizado.

Como dissemos anteriormente, todas essas influências e fontes de origem hiberno-latina, clássica e apócrifa judaico-cristã durante o início do século X, além de elementos linguísticos, apontam para a comunidade de Glastonbury como um dos locais mais prováveis para a composição dos textos dos manuscritos CCCC 41 e 422. Também dissemos que seria possível que uma das principais personagens desse período histórico inglês estivesse envolvida com a composição dessas obras: São Dunstan. Apesar de sua importância, a comunidade de Glastonbury da época não era muito numerosa. Logo, se havia o interesse pelos temas que compõe os Diálogos por tal círculo intelectual, é muito possível que São Dunstan tivesse se envolvido na produção de tais obras pessoalmente ou fosse próximo dos responsáveis.

Supõe-se que Dunstan tenha nascido por volta de 909-910 e tenha chegado a Glastonbury na década de 920. Nos anos de 930 ele frequentou a corte do rei Athelstan e é desse período o maior número de informações mais confiáveis a partir de seu biógrafo anônimo na Vita Dunstani. Segundo sua Vita, Dunstan era um estudante aplicado em seus primeiros anos no monastério de Glastonbury. Contudo, já na corte, ao que parece o jovem Dunstan não foi muito popular, sendo punido ao ser delatado por um colega por estar estudando livro de conteúdo obscuro:

(…) dicentes illum ex libris salutaribus et viris peritis, non saluti animarum pro futura sed avitæ gentilitatis vaníssima didicisse carmina, et historiarum frivolas colere incantationum nænias.57

57 [“(…) dizendo que ele, a partir dos livros sobre curas e de homens versados, aprendeu a mais vã das canções; não para o futuro bem-estar das almas, mas o antigo paganismo e se dedicando aos frívolos encantamentos mágicos das histórias”.], Carmina, carmen, cantio e incantatio são termos muitos comuns encontrados na documentação medieval relacionados às práticas mágicas e encantamentos, e em textos em inglês antigo associados à palavra galdor (do verbo galan, “cantar ou entoar”) que tanto pode ser traduzida como “canto” como também “encantamento”.

Ao tomar conhecimento dessas acusações e pensando no conteúdo dos Diálogos, principalmente SalSatI, é absolutamente tentador a hipótese de São Dunstan como o autor responsável pelos textos. E outros detalhes de sua vida contribuem para isso.

Segundo a Vita Dunstani, Dunstan era extremamente interessado por arte e poesia e, entre suas composições em latim, teria escrito um hino que teria sido ditado a ele por seu anjo da guarda. Por outro lado, sua vida espiritual parecia ser uma constante batalha contra demônios, que perturbava seu sono – e incomodava os demais monges durante a noite – assim como durante suas orações, quando essas entidades se manifestavam sob várias formas (como urso, cão, raposa e como um pequeno homem negro) e inclusive como um perfidus draco, que só podia ser afastado quando sob o sinal da cruz. O que chama a atenção é o fato de que vários desses episódios sobrenaturais da vida de São Dunstan encontram paralelos muito semelhantes ao longo dos textos dos Diálogos do CCCC41 e CCCC 422.

É claro que isso não prova que ele seja de fato o autor. Entretanto, fica claro que o jovem Dunstan seria um produto do ambiente intelectual e espiritual de Glastonbury dos anos de 920-930, e as similaridades temáticas entre a Vita do santo e os Diálogos refletem tanto o Zeitgeist da época e do local quanto o tipo de pessoas que poderíamos encontrar lá e que seriam responsáveis por obras dessa natureza.

Esse período da “baixa Inglaterra anglo-saxônica”, fins do século IX até XI, é extremamente importante para a produção literária da época. Como pudemos ver pela pequena amostra de elementos apresentados ainda há pouco na temática de SalSatI. No caso específico do EncNE podemos encontrar partes das mesmas influências, ainda que de forma não tão clara. Onde as influências clássicas não são tão evidentes, se destacando mais os elementos da tradição cristã e principalmente do folclore de fundo germânico.

A correlação entre elementos litúrgicos e práticas de cura é um dos grandes exemplos que indica esse amálgama entre a tradição popular ou folclórica e o cristianismo. Poderíamos talvez até mesmo falar que a união desses dois elementos em tais fontes represente tanto a cristianização desse folclore quanto a “folclorização” do cristianismo: um grande número de referências cristãs em práticas contra doenças tradicionalmente anglo-saxônicas – em uma combinação de males e doenças nativas com fórmulas voltadas a ataques espirituais (como possessões demoníacas) – com a inclusão de elementos populares em receitas para males espirituais (tentações, por exemplo), das mais variadas formas, e reunidas dentro de um mesmo manuscrito sem necessariamente sofrerem qualquer tipo adaptação mais profunda para se adequarem a uma visão cristã mais ortodoxa.

Existem quatro principais elementos que poderíamos destacar que caracterizariam essa “medicina germânica” transmitida através dessa tradição folclórica: 1) venenos/males voadores, 2) a serpente, 3) o número nove e 4) o elfo. A presença de qualquer um desses elementos em uma fórmula é um forte indicativo de que se trata de uma prática popular reminiscente de fundo germânico, oposto ao que seria uma cópia ou tradução feita a partir de uma formula original do mundo clássico.

No caso do EncNE podemos identificar três desses quatro elementos. A todo o momento o poema faz referência aos venenos a ser combatidos pelas ervas que são evocadas para confrontá-los, é mencionado uma causalidade entre os venenos e os malefícios causados pela serpente que tentam adentrar nos lares e que é derrotada e dividida em nove partes, especificamente. Apesar de não existir a presença de elfos no poema, há uma figura ainda mais marcante que é a presença do deus Woden.

Entretanto, a menção a Woden não deve ser supervalorizada, como comumente ocorre. Como se isso fosse um sinal de uma fórmula supostamente pagã que recebeu um “verniz” cristão. Mas sim entendido dentro do sincretismo do binômio cristianização/“folclorização”. Onde encontraremos a figura do deus Woden como um paralelo a figura de Cristo, e também presente nas linhagens régias anglo-saxônicas até fins do século X. Da mesma forma, o imaginário mitológico germânico persiste como um pano de fundo dentro das fontes através da simbologia marcial, por exemplo, do poder de ervas representando lanças contra-atacando assédios de elfos, dos antigos aesires e outros tipos de ataques de seres espirituais.

Todas essas referencias trabalhando em conjunto dentro de um mesmo processo cultural e mental do período, sendo que a falta de compreensão desse contexto, ou a atitude em simplesmente ignorá-lo, o principal problema de abordagens como as de M. L. Cameron, mencionadas anteriormente.

A compreensão e interpretação de mundo presente em tais práticas médico-encantatórias, mesmo que consideradas nada científicas ao leitor moderno, não eram assim tão diferentes da mesma compreensão e interpretação de mundo de Ælfric de Eynsham (de viés agostiniano) em seus escritos e certamente não podem ser rotuladas leviana e categoricamente como pagãs ou superstições arcaicas pré-cristãs. A presença de elementos que podem remontar a práticas e crenças anteriores ao cristianismo não é, de forma alguma, um indicativo de persistência de um paganismo como um sistema religioso ou de práticas e crenças mágicas que fossem divergentes à racionalidade religiosa da época.

Salomão & Saturno I e o Encantamento das Nove Ervas, como veremos, têm muito em comum ao se utilizarem de fórmulas que, dentro de sua estrutura narrativa, dão poder a agentes abstratos ou inanimados (letras e ervas) com o objetivo de proteção e cura. Em uma litania cujos elementos vão se avolumando ao longo do texto até atingir um clímax, quando o efeito desejado é supostamente alcançado e a ameaça neutralizada. Os métodos empregados nas duas obras são extremamente semelhantes tanto a suas fórmulas quanto estilo; ainda que tenham adversários diferentes.

Podemos dizer também que um segundo ponto que as difere seriam seus antecedentes: em SalSatI temos uma clara influencia fruto de uma erudição intelectual monástica, oriunda da tradição cristã e clássica; enquanto no EncNE temos as influências da tradição folclórica germânica, dos elementos de seu passado pré-cristão. Porém, são as similaridades entre as crenças e a compreensão do mundo natural e espiritual tanto pela tradição cristã como por esse folclore germânico é o que teria proporcionado o elo entre eles. Uma vez que sem essa simbiose desses dois universos a existência de CCCC 41 e 422 e do Lacnunga não seria impossível.

45i_death-and-the-miser

V. Sobre a atual tradução.

Como explicitado desde o início, a tradução de SalSatI e do EncNE aqui presente é a primeira realizada a partir dos originais em inglês antigo para a língua portuguesa.

Assim como em outras traduções de fontes realizadas por nós anteriormente, tentamos manter o equilíbrio entre uma tradução que não fosse excessivamente literal e nem uma que deturpasse a semântica original do texto. Evitando alterações e adaptações desnecessárias, se limitando a fazê-las quando fosse realmente necessária para a inteligibilidade de seu conteúdo em português.

Para a tradução de SalSatI utilizamos como referencial para a edição do texto original as edições de Robert J. Menner, The Poetical Dialogues of Solomon and Saturn, Nova York: Modern Language Association of America (1941); e de Daniel Anlezark, The Old English Dialogues of Solomon and Saturn. Cambridge: D. S. Brewer (2009). Da mesma forma que ambos, também optamos por apresentar os fragmentos de SalSatI nos manuscritos CCCC41 e CCCC 422 separadamente. Realmente seu conteúdo é praticamente idêntico e a principio faria sentido em optar por uma composição unificada em um único texto. Contudo, pelas razões abordadas anteriormente, não se pode dizer com certeza que eles seriam de fato uma mesma narrativa.

Já para a tradução do EncNE utilizamos como referencial a edição de Oswald Cockayne, Leechdoms, Wortcunning and Starcraft of Early England, volume 3, Londres (1866); e de Stephen Pollington, Leechcraft: Early English Charms, Plantlore and Healing, Ely: Anglo-Saxon Books (2000).

Devido a certas particularidades dos textos, especialmente SalSatI, incluímos o breve referencial de símbolos utilizados por nós para a melhor compreensão dos originais e das traduções.

Legenda:

[…] lacuna no texto.

*** dano no manuscrito.

. [Ger] . indica uma runa no SalSatI do CCCC 422; por exemplo, “.[nome da runa].” No caso da legenda utilizamos como exemplo a runa “Ger”. As runas aparecem no manuscrito sempre ao lado de sua correspondente no alfabeto latino (no caso, “Ger” corresponde a letra “G”). Vale ressaltar que no manuscrito as runas estão escritas em seu formato no alfabeto futhorc e não como as transcrevemos aqui, com seus nomes por extenso.

Tradução

Salomão & Saturno I

(MS. Cambridge, Corpus Christi College 41)

Saturno disse:

1 – 12. “Ouça! Eu experimentei os livros68 de todas as ilhas! Através de letras forjadas, desvendei as ciências dos Líbios e Gregos, assim como também a história do reino dos Indianos69. Os comentaristas me instruíram na sabedoria daquele grande livro […] uma forte espada, tal qual eu nunca poderia encontrar nos antigos escritos verdadeiramente reunidos em conjunto. Eu então ainda busco aquilo que seria para a mente ou virtude, coragem ou poder ou nobreza: o Pater Noster com ramos de palmeira”.

68 Boca onbyrged: literalmente “devorei os livros”. Essa expressão pode ter inspiração bíblica (Apocalipse 10, 9-10; Jeremias 15, 16; Ezequiel 3, 1-3).

69 A menção dos povos dos líbios, gregos e indianos é emblemática, pois representam exatamente o mundo conhecido, África, Europa e Ásia.

13 – 20.  “Eu lhe darei tudo, filho de David, líder de Israel, 30 libras de ouro puro e meus doze filhos71, se você trouxer para mim aquilo pelo qual – por meio do discurso do cântico72 – eu estou impressionado: o ensinamento de Cristo. Você me satisfará com a verdade e eu partirei seguro, desejoso me voltarei para as altivas águas sobre o rio Chobar em busca dos Caldeus”.

71 O número dos filhos de Saturno, doze, não encontra qualquer paralelo mitológico clássico. Entretanto, encontra ecos em outros poemas em inglês antigo como parte de números típicos da composição formulaica de tais obras (assim como os números três, nove e trinta, por exemplo).

72 Cantices cwyde: o “discurso do cântico” aqui não seria em sentido figurado, uma vez que o Pater Noster seria o discurso de Cristo, no qual está depositado seu poder, o Logos, e assim o Pater Noster seria tão ou mais poderoso que as próprias Escrituras.

Salomão73 disse:

21 – 29. “É infeliz na terra, inútil na vida, privado de sabedoria, vaga como animal – como gado que perambula pelo campo sem compreensão – aquele que não é capaz de reverenciar a Cristo através do cântico, ele que anda cheio de vento. O Demônio – o Dragão74 – terrivelmente o derrubará no Dia do Julgamento, vergonhosamente com bolas de ferro de uma funda negra. Ele será varrido complemente das alturas pelas ondas de desgraça”.75

30 – 35. “Então ouro e prata obtidos do solo – dos quatro cantos cheios do antigo tesouro – serão mais queridos para ele do que toda esta radiante obra, se ele alguma vez conheceu algo sobre o cântico. Abominável e estrangeiro ele será para o Senhor Todo-Poderoso, privado da companhia dos anjos, e irá vagar sozinho”.

73 Ao longo de todo o período medieval surge uma tradição de livros mágicos e lendas envolvendo o rei Salomão. Entre as primeiras menções do rei Salomão e seus poderes mágicos são na obra de Flavio Josefo, Antiguidades Judaicas, livro VIII, capítulo 2 (5); e no pseudo-epigráfico Testamento de Salomão (c. séculos I-III d.C.) onde é descrito em detalhes como ele controlava os demônios. O texto relata como Salomão descobre que um de seus trabalhadores na construção do Templo de Jerusalém está sendo atormentado por um demônio de nome Ornias. Perturbado com isso, Salomão ora por uma intercessão divina e o Arcanjo Miguel surge e lhe entrega um anel mágico contendo um selo (o selo de Salomão) com o qual ele conseguiria submeter demônios ao seu comando. Alguns então ele aprisiona em vasos e os sela com seu selo mágico e outros ele obriga a trabalharem para concluir a obra do Templo se utilizando de palavras de poder, as quais os demônios não conseguem resistir. No mundo árabe podem encontrar Salomão nas Mil e Uma Noites onde ele aparece como Sulemain, e os demônios são retratados como jinn (gênios) que quando retirado o selo mágico que os prendem eles saem de seus vasos para realizar os desejos de seu senhor. No Corão também Salomão é por diversas vezes retratado como detentor de grande sabedoria e poder sobre gênios, como na Surata 27 onde é dito que Salomão era conhecer da linguagem dos pássaros e que “(…) foram congregados ante Salomão, com os seus exércitos de gênios, de homens e de aves, em formação e hierarquia” (Surata 27, versículo 17). Ainda em árabe, Salomão e seu selo mágico é também citado na obra Gayat al-Hakim, mais conhecido no ocidente como Picatrix. O Picatrix é um tratado mágico sobre o uso da astrologia e de talismãs, traduzido na Espanha da Alta Idade Média para o latim e o vernáculo. Mas talvez uma das obras mais famosas envolvendo a figura de Salomão, especialmente a partir da Baixa Idade Média até a atualidade-e que remonta suas origens ao Testamento de Salomão é a Clavícula Salomonis, mais conhecida como Legemeton ou Goetia. Este se trata de um verdadeiro manual, grimoire, sobre como evocar, controlar e interagir com entidades identificadas como espíritos poderosos ou demônios; perfazendo um total de setenta e duas entidades.

74 Clássica identificação do Demônio e do dragão como em Apocalipse 12, 7-9.

75 Aqui é clara a ideia de que sem o conhecimento e a sabedoria divina o homem nada mais é do que uma fera. O que remete perfeitamente a personagem do rei Nabucodonosor na Bíblia (Daniel 4, 28-33) e no poema em inglês antigo (contemporâneo de SalSatI) Daniel versos 612-626a.

Saturno disse:

36 – 38. “Mas quem de todas as criaturas pode mais facilmente e esplendidamente abrir as portas sagradas do reino dos Céus inúmeras vezes?”.

Salomão disse:

39 – 42. “O Pater Noster com ramos de palmeira abre o Céu, abençoa o sagrado, faz o Criador misericordioso, causa a queda do assassino, extingue o fogo do Demônio, inspira o Senhor”.

43 – 48. “Desta forma você pode com uma esplêndida prece esquentar o sangue, a escória do demônio, de forma que gotas caiam nele, realçadas com sangue devido às causas da mente, mais terrível do que o caldeirão de bronze, quando por causa da fraqueza de doze homens ele ferve mais avidamente sobre o abraço das chamas”.

49 – 52. “Portanto, o cântico possui as mais famosas palavras, acima de todos os livros de Cristo; ele ensina sobre as escrituras, guia por meio de vozes, e mantém para elas um lugar no Reino Celeste – ele porta armadura”.

Saturno disse:

53 – 57a. “Mas como é o órgão a ser praticado na memória por aquele que desejar proceder em fundir contra assassinato, purificar do sofrimento, separar-se do pecado? De fato, o Criador deu a ele uma maravilhosa forma”.

57b – 62. “Muitas vezes minha curiosidade me questiona sobre isso no mundo, ela observa ansiosa, confundindo a mente. Nenhum homem sabe – dos heróis sob os céus – como meu espírito padece, ocupado em busca de livros. Por vezes um ardor me acomete, o espírito próximo ao coração se exalta de forma severa”.

Salomão disse:

63 – 67. “Dourada é a palavra de Deus, incrustrada de joias, possui folhas de prata. Cada um, separadamente, pode proclamar o Evangelho através da graça do Espírito. Ele é o espírito da sabedoria e o mel da alma e o leite da mente, a mais abençoada das glórias”.

68 – 72. “Ele pode trazer a alma de volta da noite eterna sob a terra, mesmo que o demônio a tenha aprisionado nas profundezas com correntes – ainda que ele a tenha aprisionado com cinquenta ferrolhos. Ele então quebra o poder e destrói completamente (sua) malícia”.

73 – 76. “Ele oculta a fome, pilha o Inferno, põe fim ao levante, edifica glória. Ele é mais valente que as fundações da Terra-Média, Ele é mais forte do que a força de todas as pedras”.

77 – 83. “Ele é o que cura o aleijado, a luz do cego, assim como ele é a porta do surdo, a língua do morto, o escudo do pecador, o salão do Criador, o portador da maré, o salvador do povo, o sucessor das ondas – os desafortunados peixes – o orgulho das serpentes, a floresta das feras selvagens, guardião dos ermos, morada da honra”.

 84 – 95. “E aquele que veementemente cantar a palavra de Deus, cuidadosamente e sempre carinhosamente sem falsidade, ele pode fazer com que o odiado companheiro, o inimigo lutador, venha a fugir, se você trouxer primeiro sobre ele o irado, o prologo prim, que é chamado. P.78; o guerreiro possui um longo bastão, com um ferrão dourado e, valente, ele ataca o inimigo sinistro. E na trilha segue .A. com grande poder, e .T. também o atinge […]”.

78 As letras que realmente serão usadas ao longo de SalSatI no CCCC 41 e 422 serão: P, A, T, E, R, NO, S, Q, U, IL, C, F, M, G, D, B, H; onde “N” e “O” e depois “I” e “L” são usadas em conjunto. Além disso, apenas no fragmento do CCCC 422 as letras latinas estão associadas às runas anglo-saxônicas.

Salomão & Saturno I

(MS. Cambridge, Corpus Christi College 422)

Salomão disse:

30 – 35. “(Então para ele será) […] ouro e prata obtidos do solo – dos quatro cantos cheios do antigo tesouro – mais queridos do que toda esta radiante obra, se ele alguma vez conheceu algo sobre o cântico. Abominável e estrangeiro ele será para o Senhor Todo Poderoso, privado da companhia dos anjos, e irá vagar sozinho”.

Saturno disse:

36 – 38. “Mas quem de todas as criaturas pode mais facilmente e esplendidamente abrir as portas sagradas do reino dos Céus inúmeras vezes”?

Salomão disse:

39 – 42. “O Pater Noster com ramos de palmeira abre o Céu, abençoa o sagrado, faz o Criador misericordioso, causa a queda do assassino, extingue o fogo do demônio, inspira o Senhor”.

43 – 48. “Desta forma você pode com uma esplêndida prece esquentar o sangue, a escória do demônio, de forma que caiam gotas nele, realçadas com sangue devido às causas da mente, mais terrível do que o caldeirão de bronze, quando por causa da fraqueza de 12 homens ele ferve mais avidamente sobre o abraço das chamas”.

49 – 52. “Portanto, o cântico possui as mais famosas palavras, acima de todos os livros de Cristo; ele ensina sobre as escrituras, guia por meio de vozes, e mantém para elas um lugar no Reino Celeste – ele porta armadura”.

Saturno disse:       

53 – 57a. “Mas como é o órgão a ser praticado na memória por aquele que desejar proceder em fundir contra assassinato, purificar do sofrimento, separar-se do pecado? De fato, o Criador deu a ele uma maravilhosa forma”.

57b – 62. “Muitas vezes minha curiosidade me questiona sobre isso no mundo, ela observa ansiosa, confundindo a mente. Nenhum homem sabe – dos heróis sob os céus – como meu espírito padece, ocupado em busca de livros. Por vezes um ardor me acomete, o espírito próximo ao coração se exalta de forma severa”.

Salomão disse:

63 – 67. “Dourada é a palavra de Deus, incrustrada de joias, possui folhas de prata. Cada um, separadamente, pode proclamar o Evangelho através da graça do Espírito. Ele é o espírito da sabedoria e o mel da alma e o leite da mente, a mais abençoada das glórias”.

68 – 76. “Ele pode trazer a alma de volta da noite eterna sob a terra, mesmo que o demônio a tenha aprisionado nas profundezas com correntes – ainda que ele a tenha aprisionado com cinquenta ferrolhos – Ele então quebra o poder e destrói completamente (sua) malícia”. Ele oculta a fome, pilha o Inferno, põe fim ao levante, constrói a glória. Ele é mais valente que as fundações da Terra-Média, Ele é mais forte do que a força de todas as pedras”.

77 – 83. “Ele é o que cura o aleijado, a luz do cego, assim como ele é a porta do surdo, a língua do morto, o escudo do pecador, o salão do Criador, o portador da maré, o salvador do povo, o sucessor das ondas – os desafortunados peixes – o levante das serpentes, a floresta das feras selvagens, guardião dos ermos, morada da honra”.

84 – 95. “E aquele que veementemente cantar a palavra de Deus, cuidadosamente e sempre carinhosamente sem falsidade, ele pode fazer com que o odiado companheiro, o inimigo lutador, venha a fugir, se você trouxer primeiro sobre ele o irado, o prologo prim, que é chamado .[Peorth]80. P.; o guerreiro possui um longo bastão, com um ferrão dourado, e valente ele ataca o inimigo sinistro. E na trilha segue .[Ac].A. com grande poder, e também o atinge. [Tir] .T. fere e o apunha-la na língua, torce o seu pescoço e destrói sua mandíbula”.

80 Como explicado anteriormente, as palavras entre colchetes se referem aos nomes das runas futhorc que aparecem no manuscrito.

96 – 102. “. [Eh] . E . o aflige, assim como sempre ele irá se portar, firme contra todo inimigo. Então, para seu desprazer . [Rad] . R . – o príncipe das letras – irá buscá-lo irado. Imediatamente sacode o demônio pelos cabelos, fazendo a pedra quebrar a perna do espírito maligno; ele nunca irá contemplar as juntas de seus membros, nem um médico lhe fará bem”.

103 – 110. “Então ele irá se voltar para sob as nuvens, buscar por proteção, coberto pelas trevas. De fato, haverá aflição em seu coração, quando dependurado ele anseia pelo Inferno, o mais estreito dos lares. Então os gêmeos em comunhão, . N . e . [Os] . O . irão juntos sobrepuja-lo, cada um trará um flagelo da jornada; por algum tempo eles irão ferir o corpo do inimigo, não se importando com sua vida”.

111 – 117. “Então . [Sigel] . S . virá – príncipe dos anjos, letra gloriosa – agarrará o demônio hostil pelo pé, deixando sua bochecha ir à dura pedra, espalhando seus dentes por toda a hoste do Inferno. Cada um irá se esconder na penumbra das sombras; o inimigo estará preocupado, o guerreiro de Satã completamente imóvel”.

118 – 126. “Assim também . [Q] . Q . e . [Ur] . V . – bravos comandantes – irão humilhá-lo com tormentos, avançarão até ele; possuem lanças de luz, longos dardos, poderosos flagelos. Eles não irão poupar golpes, terríveis ataques; o demônio será repugnante para eles. Então . I . e . [Lagu] . L . e o irado . [Cen] . C . irão envolvê-lo com a batalha – as letras curvadas trazem um amargo terror – imediatamente irão submeter o cativo do Inferno, de modo que ele irá recuar”.

127 – 132. “Então . [Feoh] . F . e . [Man] . M . irão cercá-lo de fora – o perpetrador pecaminoso – eles possuem lanças afiadas, uma terrível saraivada de setas, lançarão flechas flamejantes no cabelo do demônio para semear amargo terror; duramente, com crueldade eles pagarão ao assassino pois por diversas vezes eles destroem a vanglória”.

133 – 145. “Então depois disso o arqueado . [Ger] . G . – o qual Deus envia como auxilio a seus amigos – o forçará a ficar parado; . [Dæg] . D . segue depois, cinco poderes no total – fogo […] . B . é a terceira letra, aguarda quieto próximo à rua. . H . irá se apressar, um anjo o veste, o guerreiro de Cristo nas vestimentas vivas de um nova indumentária de um que busca por Deus. Então os gêmeos vivos irão erguê-lo muito (alto) no céu, sob a hoste de estrelas pontiagudas, com flagelos de prata, até que seus ossos brilhem, suas veias sangrem; depositando a ira das lanças no demônio ganancioso”.

146 – 154. “A palavra de Deus pode sempre – para todos os homens – por em fuga todo e cada demônio através da boca do homem; perturbar os sombrios, a hoste maligna, mesmo que eles estranhamente mudem suas formas depois de cobrir seus corpos com um manto de penas. Às vezes agarram um marinheiro. Às vezes eles tomam a forma de uma forte e peçonhenta serpente, picando um animal, matando o gado que vai pelo campo”.

155 – 160. “Às vezes ele faz o cavalo tropeçar na água, cortando com chifres, até que o sangue de seu coração – no banho da corrente espumante – busque a terra. Às vezes ele prende um homem condenado, tornando sua mão pesada, quando em batalha ele85 tem de lutar por sua vida contra uma tropa hostil”.

85 O homem.

161 – 169. “Ele86 grava em sua arma uma grande quantidade de inscrições mortais, letras malignas, amaldiçoando a lâmina, a glória da espada. Sendo assim, nenhum homem deve sacar a lâmina de sua arma sem pensar, apesar de sua aparência lhe agradar. Mas ele deve sempre entoar, quando ele saca de sua espada, o Pater Noster, e orar para aquela palmeira com alegria, de forma que ela lhe concederá a vida e a mão, quando o seu inimigo vier”.

86 O demônio.

the_garden_of_earthly_delights_by_bosch-mountains

Encantamento das Nove Ervas

(MS. BL Harley 585)

01 – 06. Lembre-se, Artemísia, o que você fez ser conhecido, o que você estabeleceu com uma grande revelação; “una” você é chamada, a mais velha das plantas. Você tem poder contra três e contra trinta, você tem poder contra veneno e contra doença88, você tem poder contra o mal que viaja pela terra.

88 Onflyge em seu sentido literal se refere a algo ou alguma coisa que ataca por meio do voo. O que nos remete a ideia dos “venenos voadores”, das “setas de elfos” e outros males que fazem parte deste ambiente folclórico germânico.

07 – 13. E você, Tanchagem, mãe das plantas que se abre para o leste, poderosa em seu interior, sobre você as carruagens correm, sobre você as damas passam, sobre você as noivas choram, sobre você o touros resfolegam; a todos eles você resiste e confronta, assim como você resiste o veneno e a doença e ao mal que viaja pela terra.

14 – 17. Esta planta se chama Agrião, ela cresce sobre a pedra, ela resiste contra veneno, ela ataca a dor. Ela se chama Urtiga, ela confronta o veneno, ela afasta o mal, expele o veneno.

18 – 22. Esta é a planta que luta contra a serpente, a que tem poder contra veneno, ela tem poder contra doença, ela tem poder contra o mal que viaja pela terra. Agora você, Betônica89, expulse o menor do maior e o maior do menor, até que ambos estejam curados.

89 Na verdade, não há consenso sobre qual seria a erva mencionada pelo encantamento. As duas principais possibilidades seriam o capim-arroz (Echinochloa Crusgalli) ou a betônica (Stachys officinalis). De qualquer forma seu nome, em uma tradução literal, attorlaþe significa “o que repudia o veneno”.

23 – 26. Lembre-se, Camomila, o que você revelou; o que você consumou em Alorford90: que nunca ninguém desistiria da vida por causa de doença, quando camomila lhe fosse preparada para a refeição.

90 Não há qualquer explicação satisfatória ao que o poema se refere em toda essa passagem-além dos efeitos benéficos da camomila-permanecendo assim um mistério. O significado literal da palavra é “fortaleza do amieiro”. Uma possibilidade seria de que o poema estaria fazendo menção a algum episódio de alguma lenda ou mito que não teria sobrevivido à atualidade, talvez fruto da tradição oral.

27 – 29. Esta é a planta chamada Maçã, este sinal enviado sobre o dorso do mar para desfazer outro veneno, para curar.

30 – 35. Essas nove se põe contra nove venenos. A serpente veio rastejando, a ninguém ela destruiu quando Woden91 tomou de nove gloriosos ramos e golpeou a víbora de modo que ela se partiu em nove; lá a maçã pôs um fim a ela e ao veneno, de modo que ela jamais entraria em uma casa.

91 Woden é o antigo deus germânico anglo-saxônico, sendo o Odin escandinavo e ainda o Wotan dos germânicos continentais.

36 – 44. Cerefólio e Erva-doce, duas de grande poder. O sábio Senhor criou essas plantas enquanto pendia sagrado no céu, as preparou e enviou aos sete mundos, para o pobre e o rico, para todos curar92. Impõe-se contra dor, ataca contra veneno, tem poder contra três e contra trinta, contra a mão do demônio93 e contra grande embuste, contra a feitiçaria de seres malignos94.

92 A referência é claramente a Cristo. Entretanto, não podemos desprezar a possibilidade de um paralelo com Woden/Odin, uma vez que ambos acabam sendo personagens detentoras de poderes sobrenaturais e ambos foram “sacrificados”, e os dois são mencionados no poema.

93 Pode ser traduzido também com “a mão do inimigo”.

94 É interessante observar como um paralelo o final da versão da oração do Pai Nosso do poema Heliand (escrito em saxão antigo c. século IX): “Pai nosso, filhos dos homens, Tu está no alto reino celeste, Santo seja Teu nome em cada palavra. Possa Teu poderoso reino vir. Possa Tua vontade ser feita sobre todo este mundo, assim na terra como é lá nas alturas do alto reino celeste. Nos dê apoio a cada dia, bom Lorde, Teu sagrado auxílio, e nos perdoe, Guardião do Céu, nossos muitos crimes, assim como nós fazemos a outros seres. Não permita que pequenas criaturas malignas nos desviem para fazer suas vontades, como nós merecemos, mas nos ajude contra todos os atos malignos”.

45 – 57. Agora essas nove plantas tem poder contra nove doenças poderosas, contra nove venenos e contra nove enfermidades, contra o veneno vermelho, contra o veneno fétido95, contra o veneno branco, contra o veneno azul, contra o veneno amarelo, contra o veneno verde, contra o veneno escuro, contra o veneno azul96, contra o veneno marrom, contra o veneno púrpura. Contra a ferida de serpente, contra a ferida de água, contra a ferida de espinho, contra ferida de cardo, contra ferida de gelo, contra ferida de veneno; se algum veneno voar do Leste ou algum vier do Norte ou algum do oeste sobre as tribos dos homens.

95 Uma vez que todos os demais venenos aqui estejam relacionados a uma cor, é possível que tenha um erro no manuscrito.

96 Devido a essa repetição da palavra wedenan é muito provável que exista um erro no manuscrito, onde uma das cores poderia ser talvez hæwenan (“azul”) e a outra “azul marinho”.

58 – 63. Cristo se colocou sobre todo tipo de enfermidade; eu sozinho sei do fluir dos rios e eles agora encerram nove víboras, todas as ervas-daninhas podem agora se recolher em suas raízes, que todo o sal do mar se disperse, enquanto eu sopro este veneno de você.

Artemísia, Tanchagem que está aberta para o leste, Agrião, Betônica, Camomila, Urtiga, Maçã, Cerefólio e Erva-doce, sabão velho; transforme as ervas em pó, misture com o sabão e com o suco da maçã. Faça uma pasta de água com cinzas; pegue a Erva-doce, ferva com aquela pasta e aqueça com a mistura enquanto se coloca o sabão, tanto antes quanto depois. Cante o encantamento sobre cada uma das ervas, três vezes antes de prepara-las e da mesma forma com a maçã; e cante este encantamento (galdor) para o homem em sua boca e em ambas as suas orelhas e da mesma forma no ferimento, antes de colocar o unguento.

***

Fontes

ANLEZARK, Daniel (ed. trad.). The Old English Dialogues of Solomon and Saturn. Cambridge: D. S. Brewer, 2009.

ÆLFRIC. Homilies of Ælfric: A Supplementary Collection (ed. J. C. Pope), Londres: EETS, 1967-8.

BRADLEY, S. A. J. Anglo-Saxon Poetry, Londres: Everyman, 1982.

COCKAYNE, Oswald (ed. trad.). Leechdoms, Wortcunning and Starcraft of Early England, 3 vol., Londres, 1864 – 1866.

CONYBEARE, F. C (trad). The Testament of Solomon. Jewish Quartely Review, 1898.

DOBBIE, Elliot van Kirk. The Anglo-Saxon Poetic Records vol. 6: The Anglo-Saxon Minor Poems, Nova York: Columbia University Press, 1942.

DULING, D. C. “The Testament of Solomon” in: CHARLESWORTH, James H. The Old Testament Pseudepigrapha, vol. 1. Nova York: Doubleday & Cia, 1983.

GODDEN, Malcolm & IRVINE, Susan. The Old English Boethius: An Edition of the Old English Versions of Boethius’s De Consolatione Philosophiae, 2 vol., Oxford: Oxford University Press, 2009.

KEMBLE, John M. The Dialogue of Salomon and Saturnus, Londres: Aelfric Society, 1848.

KEYNES, Simon & LAPIDGE, Michael (trad. e org.) Alfred the Great: Asser’s life of King Alfred and other contemporary sources, Londres: Penguin, 1983.

MEDEIROS, Elton O. S. “Hávamál: tradução comentada do Nórdico Antigo para o Português”, Revista Mirabilia, v. 2 n. 17, 2013a, p. 545 – 601.

MENNER, Robert J. The Poetical Dialogues of Solomon and Saturn, Nova York: Modern Language Association of America, 1941.

PULSIANO, Phillip & TREHARNE, Elaine. A Companion to Anglo-Saxon Literature, Oxford: Blackwell, 2001.

POLLINGTON, Stephen. Leechcraft: Early English Charms, Plantlore and Healing, Ely: AngloSaxon Books, 2000.

WHITELOCK, Dorothy. English Historical Documents c. 500 – 1042, Nova York: Oxford University Press, 1955.

Referências

BATELY, Janet. “The Alfredian canon revisted: one hundred years on” in: REUTER, Timothy. Alfred the Great, Aldershot: Ashgate, 2003.

CAMERON, M. L. Anglo-Saxon Medicine, Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

DAVIES, Owen. Grimoires: A History of Magic Books. Oxford: Oxford University Press, 2009.

DAVIES, Owen. Magic: A very short introduction. Oxford: Oxford University Press, 2012.

DENDLE, Peter J. The Role of the Devil in Old English Narrative Literature, Toronto: Universidade de Toronto (tese de doutorado), 1998.

FLINT, Valerie I. J. The Rise of Magic in Early Medieval Europe, Princeton: Princeton University Press, 1991.

GODDEN, Malcolm & LAPIDGE, Michael. The Cambridge Companion to Old English Literature, Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

GRETSCH, Mechthild. The Intellectual Foundations of the English Benedictine Reform, Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

GRIFFITHS, Bill. Aspects of Anglo-Saxon Magic, Ely: Anglo-Saxon Books, 1996.

HANEGRAAFF, Wouter J. Western Esotericism: A guide for the perplexed, Nova York: Bloomsbury, 2013.

HANSEN, Elaine Tuttle. The Solomon Complex: Reading Wisdom in Old English Poetry, Toronto: University of Toronto Press, 1988.

JOLLY, Karen. Popular Religion in Late Saxon England. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1996.

KERSHAW, Paul. Peaceful Kings: Peace, Power, and the Early Medieval Political Imagination, Oxford: Oxford University Press, 2011.

KIECKHEFER, Richard. Magic in the Middle Ages. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

LAPIDGE, Michael. “B. and the Vita S. Dunstani”, in: RAMSAY, Nigel, SPARKS, Margareth & TATTON-BROWN, Tim. St Dunstan: His Life, Times and Cult, Woodbridge: Boydell Press, 1992.

LAPIDGE, Michael. The Blackwell Encyclopaedia of Anglo-Saxon England, Oxford: Blackwell, 1999.

MACLEOD, Mindy; MEES, Bernard. Runic Amulets and Magic Objects. Woodbridge: Boydell Press, 2006.

MATHERS, Samuel L. M. The Goetia: The Lesser Key of Solomon the King. São Francisco: Weiser Books, 1997.

MEDEIROS, Elton O. S. “Alfred o Grande e a Linhagem Sagrada de Wessex: a construção de um mito de origem na Inglaterra anglo-saxônica”, Revista Mirabilia v. 2 n. 13, 2011, p. 134 – 172.

MEDEIROS, Elton O. S. “O Poder das Letras: cristianismo e magia no Pater Noster anglosaxão”, Revista Brasileira de Histórias das Religiões v. 6 n. 16, 2013b, p. 229 – 266.

NELSON, Marie. “King Solomon’s Magic: The Power of a Written Text”, Oral Tradition v. 1 n. 5, 1990, p. 20 – 36.

NILES, John D. “Pagan survivals and popular belief” in: GODDEN, Malcolm & LAPIDGE, Michael. The Cambridge Companion to Old English Literature, Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

NORTH, Richard. Heathen Gods in Old English Literature, Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

O’KEEFFE, K. O. Visible Song: Transitional Literacy in Old English Verse. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

O’NEIL, Patrick P. “On the date, provenance and relationship of the ‘Solomon and Saturn’ dialogues”, Anglo-Saxon England 26, Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

PAGE, R. I. An Introduction to English Runes, Londres: Boydell, 1973.

POOLE, Russel. Annotated Bibliographies of Old and Middle English Literature, vol. V: Old English Wisdom Poetry, Cambridge: D. S. Brewer, 1998.

RAMSAY, Nigel, SPARKS, Margareth & TATTON-BROWN, Tim. St Dunstan: His Life, Times and Cult, Woodbridge: Boydell Press, 1992.

REUTER, Timothy. Alfred the Great, Aldershot: Ashgate, 2003.

TORIJANO, Pablo A. Solomon, the Esoteric King: From King to Magus, Development of a Tradition, Leiden: Brill, 2002.

WRIGHT, C. D. The Irish Tradition in Old English Literature, Cambridge: Cambridge University Press, 1993.