Os Graus Simbólicos do Zodíaco II

Parkes_Michael-Eternitya

The World of Michael Parkes

Las imágenes simbólicas asociadas a cada uno de los 360 grados del zodíaco

La historia de los grados simbólicos

Las imágenes simbólicas asociadas a cada uno de los 360 grados del zodiaco, llamadas tambien “monómeros”, tienen distintos orígenes incluida la más antigua conocida en el calendario tebaico que tendría más de 3000 años. Además de los grados tebaicos, de origen egipcio, hay los grados Indúes. Los monomeros fueron transmitidos por Volasfera y forman también parte de una tradición muy antigua. Estas dos listas nos informan de los grados simbólicos tradicionales los más empleados. Más cerca a nosotros, otros simbolos aparecieron, las de Antonio Borelli, Siglo XIX por ejemplo, o también la de Jeanne Duzea (Janduz). Parecería que estos últimos se hayan inspirado en los grados Tebaicos y en grados hindúes. Al Siglo XX siglo aparecieron grados simbólicos mucho más modernos: los grados de Marc Edmund Jones, llamados grados Sabian Symbols (Simbolos Saba en referencia a la reyna de Saba). Su origen es el fruto de una cooperación con un vidente Elsie Wheeler. Tomó un juego de 360 cartas en blanco las cuales se inscribían por detras una señal y un grado. Ni ella ni Marc Edmund Jones conocían el grado implicado durante las videncias. Tenía en cuenta directamente lo que la vidente experimentaba. Por ello nacieron los Simbolos Sabian, que hoy son empleados esencialmente por los astrólogos humanistas.

Marc Edmund Jones descubrió la estructura que se desprende de los 360 símbolos, y trabajando en su relación.

Rudhyar descubre que este libro despierta en él gran interés. Pidió a Jones permiso para incluir una versión en su libro “La astrología de la personalidad”, publicado en 1936.

Esta publicación da a conocer a los símbolos Sabian de Jones a un público más amplio. No fue hasta 1953 que la versión definitiva saldrá en su libro The Sabian Symbols in Astrology (Los Símbolos Sabian en la Astrología).

Rudhyar sigue trabajando y en 1973 publicó Un Mandala Astrológico, que presenta imágenes de los 360 simbólos como un moderno Y-Ching, organizado como un mandala, con una estructura rítmica.

Al igual que todos los grados monómeros, puede asignar un grado del zodíaco una imagen simbólica, comprensible por todos, y actualizado de acuerdo a la cultura y el tiempo.

Rudhyar destaca el arquetipo significado de cada nivel simbólico, sugirió considerar dos cosas para interpretar los símbolos Sabian: Analizar el más significativo símbolo de la imagen y Observar la relación de los símbolos con otros símbolos, como parte de una secuencia cíclica.

Inside Degrees

Developing Your Soul Biography Using the Chandra Symbols

Ellias Lonsdale

The 360 Symbolic Degrees and their Interpretation

Michael Parkes - The Gift

Os Graus Simbólicos do Zodíaco II

Raul V. Martinez

Libra

Libra

Mandala de Libra

Libra 01. Em um caminho de um campo árido, um homem avança tendo uma pistola em cada mão, sem ver que é seguido por outro homem, com sabre desembainhado.

Ou – Um homem tendo em cada mão um dardo.

Libra 02. Uma espécie de mago, auxiliado por seu assistente, queima incenso no altar dos ancestrais.

Ou – Um mago queimando incenso em um altar.

Libra 03. Um homem em mangas de camisa está sentado em um tronco de árvore, parecendo sonhar, mas suas mãos e pés estão acorrentados; e, em uma casa vizinha, uma grande janela gradeada deixa aperceber uma mulher olhando avidamente para fora.

Ou – Um homem tendo os pés e as mãos ligados.

Libra 04. A entrada de um campo onde um meio sulco apenas esta traçado, um homem desencorajado olha seu arado quebrado, enquanto que vem em sua direção um cavaleiro bastante esperto, mas cuja montaria manca.

Ou – Um homem a cavalo em um campo.

Libra 05. Um caminhante estendendo a mão a uma mulher que ele quer ajudar a subir a senda, cai no lago que esta abaixo; muitos anéis caem ao mesmo tempo.

Ou – Uma ave negra com o bico e os pés vermelhos.

Libra 06. Um camponês segue sua junta de bois de trabalho e, no fim do campo, se vê belas medas que o encorajam em seu labor.

Ou – Um homem arrastando o arado.

Libra 07. Um grande pássaro negro, as patas com garras de onde o sangue goteja, voa baixo; em frente dele, um triângulo, como que suspenso entre o céu e a terra, cujas bordas estão cercadas por chamas leves que ardem sem o consumir.

Ou – Um homem tendo na mão direita um anel.

Libra 08. Dois gladiadores na arena, o mirmidão portando o punhal e o escudo, e o reciário portando a rede e o tridente.

Ou – Uma mulher chorando na cabeceira de um doente.

Libra 09. Um quarto de doente, onde se movimenta uma mulher e onde chora uma criança; a direita, uma jovem chora, sentada no canto de um mausoléu.

Ou – Um homem brandindo um gládio desembainhado.

Libra 10. Uma fortaleza bastante desmantelada, mas onde subsistem moradores e onde se nota uma enorme porta guarnecida com pregos e espetos. A poucos passos, um resto de forca sob a qual dois ou três corvos bicam a terra em busca de quaisquer restos de carniça.

Ou – Uma ave negra escavando a terra com seu bico.

Libra 11. Um homem sumariamente vestido, tendo a cara negra, mas as mãos e os pés brancos, tenta correndo, se içar sobre a parte traseira do centauro, que brande seu arco sem atirar flecha.

Ou – Um homem de cara negra, com as mãos e os pés brancos.

Libra 12. A esquerda, uma mulher olhando obstinadamente para trás não vê que seus passos a levam a beira de um barranco, no qual irá cair; e a direita uma outra mulher, coquete, se olhando em um espelho de mão, chega a outra borda do barranco onde vai cair por sua vez; um pequeno cão procura afasta-la, puxando a parte inferior de seu vestido.

Ou – Uma mulher em pé, olhando para trás.

Libra 13. Um pilar de mármore colocado na intersecção de vários caminhos. Seu topo está quebrado; na coluna estão inscritas as palavras felicidade e infelicidade, seguidas de um ponto de interrogação. Um homem e uma mulher se afastam, cada um por um caminho diferente.

Ou – Um homem e uma mulher que se separam.

Libra 14. Um espelho acima de uma mesa, na qual estão jogadas máscaras, meias-máscaras, maquilagens, tudo que se usa para disfarçar a personalidade. Nas extremidades, meio escondidos atrás de dois reposteiros, um homem e uma mulher se espreitam.

Ou – Um grande espelho, suspenso na muralha.

Libra 15. Em uma paisagem polar, um iceberg se destaca sobre o mar de gelo, enquanto que no poente o Sol desaparece “em gloria”, criando uma aurora boreal. Sobre o gelo, uma parelha de renas puxa vigorosamente um trenó carregado de peles.

Ou – Dois corações alados.

Libra 15

Libra 16. Próximo de uma taberna, um homem passeia gesticulando, braços para cima, braços para baixo, com duas mulheres livres; e sob um caramanchão florido, se vê dois corações alados apertados um contra o outro.

Ou – Um camelo correndo.

Libra 17. Um casebre três quartas partes demolido, como única resistência, mantém uma velha porta na qual está fincado um punhal; na cumeeira, um melro zombador assobia e bate asas.

Ou – Um melro empoleirado e batendo as asas.

Libra 18. Uma bonita casa com os acessos floridos, cuja porta e janelas estão totalmente abertas sobre um interior alegre e confortável.

Ou – Uma bela casa cercada de flores.

Libra 19. Um grande bloco de mármore no qual se começou a esculpir um trono e sobre o qual se encontram colocados, a espera, um cetro e uma coroa.

Ou – Uma cidadela sobre um rochedo.

Libra 20. Um claustro, iluminado pelo sol poente, no qual um monge caminha para um pequeno altar, onde fumega um turibulo.

Ou – Um altar onde fumega incenso.

Libra 21. Uma passarela de madeira meio demolida, em cima de um rio seco e, sobre o que resta da passarela, um asno zurra, montado por um anão que se agita como se fizesse um discurso.

Ou – Um homem montado em um asno.

Libra 22. Dois cavalos, sendo um selado e o outro atado por uma corda, esperam o bel-prazer do seu dono, adormecido sobre a relva, tendo em seus lados sacos de dinheiro que ele negligenciou ao carregar sobre sua montaria.

Ou – Dois cavalos selados e agachados.

Libra 23. Um homem idoso, vestido com uma túnica e usando um tipo de chapéu, como os antigos doutores, cercado de toda sorte de instrumentos, examina um liquido diante de uma janela.

Ou – Um médico examinando um líquido através de um frasco.

Libra 24. Uma bela árvore, sólida, colocada sobre uma elevação rochosa; abaixo passa um centauro, atirando flechas sobre flechas em serpentes que fogem sob a vegetação.

Ou – Um centauro combatendo uma serpente.

Libra 25. O sol do meio dia deixa cair seus raios sobre um promontório coberto de flores entre as quais um pavão abre seu leque, imitado por um peru e por um pequeno pombo-pavão.

Ou – Um pavão abrindo a cauda.

Libra 26. Um homem de belo porte, coberto com armadura de malhas, a espada na mão, avança em socorro de um homem armado somente com um bastão para combater um leão que ruge.

Ou – Um homem armado com um bastão e combatendo um leão.

Libra 27. Uma casa de campo rústica, mas que agrada, em um jardim simples e bem cuidado por seu proprietário. Um belo cedro sombreia um lado da casa.

Ou – Uma arvore copada, que estende ao longe sua sombra.

Libra 28. Um moinho montado no meio de um restolho, cortado por um pequeno curso d’água; uma corda prende um pequeno asno a base do moinho; o asno está sonolento.

Ou – Um homem cavoucando a terra.

Libra 29. Um tanque de água sombreado sob a folhagem do bosque; em sua borda um homem esta’ preguicosamente estendido, a mão pousada sobre um livro; alguns leves raios de sol passando através dos ramos iluminam um pouco a água e o homem.

Ou – Uma mulher em pé, imóvel.

Libra 30. Um homem está deitado sobre uma trouxa de roupas em uma clareira; ele olha com pavor para uma lebre assustada, tão terrificada como ele, mas não vê um gavião que plana acima dele, nem uma serpente que vai morder sua mão dependurada, nem um lobo que se prepara para saltar sobre ele.

Ou – Uma lebre saindo de um bosque.

Escorpião

Escorpião

Mandala de Escorpião

Escorpião 01. Em uma sala decorada a oriental, um formidável guerreiro defende um cofre arrombado, cheio de riquezas, ao pé do qual jaz caído um homem ferido.

Ou – Um homem tendo um dardo na mão

Escorpião 02. O Sol se levanta, iluminando um promontório no qual caminha um homem imponente, montado em um elefante ricamente paramentado.

Ou – Um homem montado em um elefante.

Escorpião 03. Um homem de uma certa idade, sentado a beira de um canal, reflete, vendo uma usina cujas altas chaminés avermelham dentro da noite que cai.

Ou – Um homem em pé, imóvel.

Escorpião 04. Uma harpa na qual está dependurada uma coroa de louros; e junto de outros instrumentos de musica, uma paleta e mascaras.

Ou – Uma lira.

Escorpião 05. Um campo de espigas maduras quebradas por um vento de tempestade; um prado igualmente varrido pela tempestade e cujas árvores se inclinam, enquanto que um gnomo sem pernas, de ar radiante, agita um machado, como que para se associar aos malefícios do temporal.

Ou – Um homem sem pernas

Escorpião 06. De um lado um jardim bem distribuído, bem cultivado, florido; de outro, um jardim abandonado, com sulcos de erosão, cuja cerca esta arrancada e no qual um asno com bridão, mas em liberdade, escoiceia, fazendo voar a terra e os cascalhos.

Ou – Um asno com bridão.

Escorpião 07. Em um pequeno campo, onde revolve a terra, um homem está em
pé, com o pé sobre a pá de cavar, fazendo brilhar ao Sol uma joia que acaba de descobrir. No medalhão o vemos bem trajado, tendo uma bolsa e uma taca; tal como ele se vê sonhando acordado.

Ou – Um homem segurando com uma mão uma bolsa, e com a outra uma taça de ouro.

Escorpião 08. Um belo galo, batendo docemente as asas, no meio de um campo onde ciscam algumas galinhas. Um pouco adiante, um arqueiro atira flechas sobre uma revoada de pássaros já distantes no horizonte.

Ou – Um grande galo batendo asas.

Escorpião 09. Uma criança de uns dez anos de idade, pobremente vestida, sentada em um tronco de árvore, olha tristemente um ninho tombado de uma árvore e, imóveis no solo, duas ou três avezinhas pouco plumadas. Uma espécie de aureola envolve a cabeça da criança compadecida.

Ou – Uma criança sentada em um monte de pedras.

Escorpião 10. Em um camarote, um ator lança um ultimo olhar sobre seu traje de Mefistófeles; se vê, penduradas, muitas fantasias e, sobre a mesa, muitas mascaras.

Ou – Uma cabeça de homem fazendo careta.

Escorpião 11. Sob os raios de uma bela estrela, um homem observa se contorcer um Escorpião que ele mantém pela cauda. Ao mesmo tempo, a direita, uma lebre sentada em uma elevação acima de sua toca, com o nariz levantado em direção a estrela, não vê um fuzil apontado contra ela.

Ou – Um homem segurando um Escorpião pela cauda.

Escorpião 12. Um enxame de grandes moscas malsãs rodopiam em torno de uma serpente que, erguida sobre sua cauda, sibila e cospe em vão seu veneno sobre essas inimigas dispersas, na frente de sua casa isolada.

Ou – Um enxame de moscas atacando uma serpente.

Escorpião 13. Uma grande torre sólida, só, sobre um rochedo que domina o mar.

Ou – Uma torre.

Escorpião 14. Um belo jardim com um poço tendo o arco florido de rosas, de onde a água transborda e se escoa inutilmente; sob uma pérgola, igualmente florida está reunido um grupo alegre, onde o dono da casa, em pé, taca na mão, brinda a saúde.

Ou – Um poço cuja água transborda.

Escorpião 15. Um urso esta adormecido sob uma arvore, cercado por um enxame de abelhas que zumbem ao redor de sua cabeça.

Ou – Uma bela mulher em pé, imóvel.

Scorpio 15

Escorpião 16. A beira do mar, uma carcaça encalhada na costa acaba de ser esvaziada pelas aves de rapina; um lobo se afasta com pesar, expulso pelas bicadas.

Ou – Uma mulher dando esmola a um pobre.

Escorpião 17. Um homem vestido de bobo da corte dá esmola a um mendigo, na frente de sua morada, enquanto que um bloco talhado em facetas, colocado sobre um pilar baixo, emana raios de luz em três direções (luz vermelho-alaranjada).

Ou – Um lobo correndo em um campo.

Escorpião 18. Um homem, um punhal na mão, escondido atrás de uma porta, espreita uma mulher que encanta serpentes.

Ou – Uma mulher semi-escondida atrás de uma porta.

Escorpião 19. Um homem robusto, de procedimento firme e combativo, tem amarrado um cão corpulento, a goela aberta, porem comportado. Ele se apoia em uma mesa na qual estão colocados, ao lado dele, um estilete e um chicote, mas também uma profusão de iguarias importantes. Amigos e inimigos o observam.

Ou – Um cão com a goela escancarada e grandes orelhas.

Escorpião 20. O Sol se levanta sobre o oceano docemente agitado, e na beira da praia, um homem sentado sobre um camelo olha a volta do horizonte, seu rosto iluminado pelo sol nascente.

Ou – Um homem sentado sobre um camelo.

Escorpião 21. Um touro colocado sobre uma elevação bate furiosamente a terra mugindo, e na planície se vê um cavalo sem freio, correndo através dos campos.

Ou – Um cavalo sem freios correndo através dos campos.

Escorpião 22. Uma torrente salta de rocha em rocha, como sobre uma escada estreita e desaparece embaixo nas areias.

Ou – Uma torrente que salta de rocha em rocha.

Escorpião 23. Um camponês semeia contra o vento e, sob uma arvore, uma nascente se dispersa em cinco ou seis filetes de água que não servem para nada.

Ou – Pequenos regatos que escapam de uma mesma fonte.

Escorpião 24. Um lenhador corta lenha próximo de uma cabana feita de troncos de árvores bem esquadrinhados; na frente da porta, a mulher gira seu fuso.

Ou – Uma mulher tendo na mão direita um fuso.

Escorpião 25. Um homem nada em um mar revolto.

Ou – Um lobo levando um pato em sua goela.

Escorpião 26. Uma saliência rochosa na qual esta esculpida uma cruz iluminada pelo sol nascente, assim como um pequeno oratório bem próximo.

Ou – Um homem carregando um alforje cheio, e correndo.

Escorpião 27. Sob uma tenda, um homem fino, usando a toga e o chapéu quadrado, próximo de uma mesa sobre a qual se encontram um livro e uma espada, discursa para uma multidão heterogênea.

Ou – Dois homens em pé e conversando.

Escorpião 28. Em um pátio da fazenda, as aves domésticas apavoradas se dispersam diante de um lobo que foge levando um pato em sua goela, enquanto que mais longe, um outro lobo em pé uiva sobre o cadáver de um cavalo.

Ou – Um templo.

Escorpião 29. Uma mulher em traje de cerimônia, ergue diante dela um cetro no qual se enrola uma serpente com cabeça de dragão.

Ou – Um homem sentado, segurando um livro aberto.

Escorpião 30. Um homem sentado a sua mesa de trabalho toma notas consultando um livro; sobre a mesa se vê amostras de seixos, quartzo etc., livros e na parede mapas.

Ou – Uma serpente com cabeça de dragão.

Sagitário

Sagitário

Mandala de Sagitário

Sagitário 01. Um homem jovem deitado sobre um monte de cascalho, a beira de uma estrada, brinca com uma bussola.

Ou – Três homens sem cabeça, e em pé.

Sagitário 02. Um homem esta em pé, com o sabre desembainhado e, perto dele, uma criança lança pedras com uma atiradeira.

Ou – Um homem que lança pedras com uma atiradeira.

Sagitário 03. Um templo, no frontão do qual se Le a inscrição “Nossa Senhora da Misericórdia”. Diante do portal, uma mulher, aureolada como uma Madona, e de cujas mãos se prolongam raios fluídicos, estende os braços em um gesto de proteção sobre dois grupos, um de amigos, o outro de inimigos ameaçadores.

Ou – Um homem sentado sobre um carneiro.

Sagitário 04. Um homem, a alabarda na mão, esta em pé sobre a plataforma de uma torre de vigia, e um outro aparece atrás de uma seteira, segurando uma besta.

Ou – Um homem marchando, com a lança sobre o ombro.

Sagitário 05. Um homem de meia idade vela por uma criança em seu berço, enquanto que sua mulher, sobre a soleira da porta, hesita entre ficar ou tomar o caminho da liberdade.

Ou – Uma mulher transportando um berço nas costas.

Sagitário 06. Um moinho cujas pás giram ao vento, e abaixo do qual um boi com três chifres esta amarrado.

Ou – Um boi com três chifres.

Sagitário 07. Uma tropa de belos animais no pasto, ao Sol; algumas cabras se levantam para comer os brotos das moitas da cerca.

Ou – Uma mulher em pé, imóvel.

Sagitário 08. Uma sala de jogo: em uma mesa dois homens jogam cartas; em uma outra dois jogadores lançam os dados, etc.

Ou – Dois homens jogando dados sobre uma mesa.

Sagitário 09. Um grande fogo, imprudentemente acesso perto de uma casa a incendeia; as chamas brotam de toda parte.

Ou – Uma fogueira em chamas.

Sagitário 10. A lua cheia brilha em um céu límpido, iluminando na terra um rastro de moedas de ouro, de prata e de chumbo.

Ou – Um monte de ouro, de prata e de chumbo.

Sagitário 11. Um tigre rasteja, com a intenção de saltar sobre um lobo que caminha adiante dele, levando no dorso um macaco que faz caretas para o tigre.

Ou – Um macaco sentado sobre um lobo.

Sagitário 12. Uma mulher recostada em um divã estende as mãos em direção a um cofrinho de onde pendem colares, joias e, por uma janela aberta, se vê lá fora um homem jovem pisoteado por um bode.

Ou Um homem montado em um bode.

Sagitário 13. Um homem esta em pé, as mãos ligadas atrás das costas, olhando uma casa triste, sobre a qual esta escrita a palavra prisão. Mas uma grade colocada diante da porta fechada parece dispensa-lo de entrar.

Ou – Um homem esta em pé, com as mãos ligadas atrás das costas.

Sagitário 14. Uma flecha cruza o espaço, mas o cavaleiro que acaba de lança-la se agarra agora ao pescoço de sua montaria.

Ou – Um homem segurando um livro aberto.

Sagitário 15. O gabinete de um sábio ou de um homem de letras, papeis em desordem e livros depositados por todas as partes.

Ou – Um homem a cavalo, segurando o pescoço de sua montaria.

Sagittarius 15

Sagitário 16. De uma caverna na montanha parte um carro vazio, puxado com um barulho de trovão por três cavalos atarracados, galopando na direção do vale fértil, onde se nota um castelo e camponeses trabalhando o domínio.

Ou – Um carro vazio.

Sagitário 17. Sobre uma jangada, no mar, um homem decrépito se apoia em um bastão.

Ou – Um homem decrépito apoiado em um bastão.

Sagitário 18. Dois seres estranhos: um segurando uma tocha com uma mão, e com a outra uma coruja pela cauda, e uma mulher tendo um rosto no gênero de uma mascara e uma peruca de cabelos emaranhados.

Ou – Um homem segurando pela mão um pássaro pela cauda e com a outra uma tocha.

Sagitário 19. De uma casa cercada por chamas ardentes, sai uma serpente fugindo, que se encontra detida por um circulo de fogo.

Ou – Uma casa cercada por tochas ardentes.

Sagitário 20. Um grupo simpático, homens e mulheres passeiam conversando no jardim onde se misturam flores do nosso país e plantas exóticas.

Ou – Três homens passeando, os braços entrelaçados.

Sagitário 21. Um mago, o chapéu sacerdotal na fronte, dirige sua vareta para dois triângulos entrelaçados, sobremontados por um terceiro, em um gesto de conjuração.

Ou – Um mago, com a tiara na fronte e o cetro na mão.

Sagitário 22. Dois homens se lançam um sobre o outro, armados com punhais para se traspassar mutuamente, enquanto que atrás deles se expõe o Livro da Lei, com a balança e a forca.

Ou – Dois homens que se perfuram mutuamente com seus gládios.

Sagitário 23. Um coração humano preso em uma grade, atravessado por um punhal com o cabo enriquecido por pedrarias.

Ou – Duas mulheres que se apunhalam mutuamente.

Sagitário 24. Uma arvore quebrada pelo raio esta a ponto de cair sobre um homem que, despreocupadamente apoiado no parapeito de uma ponte, olha a torrente se escoar ruidosamente.

Ou – Um homem que se apunhala.

Sagitário 25. Um fim de festa fina; os dois convivas tem o ar de exaustos, as velas se extinguem e, na extremidade da mesa, três tacas estão colocadas lado a lado, em triangulo.

Ou – Um homem vomitando.

Sagitário 26. Sobre uma parede esta desenhado um perfil de um galgo. Na frente um homem maneiroso joga as gracas*; e atrás de uma mesa se tem um homem manipulando acessórios, em um gênero de Mago do Taro.

* gracas = jogo com um circulo e duas varinhas

Ou – Um homem que joga com varinhas.

Sagitário 27. Um homem esta suspenso em um galho muito baixo para lhe permitir escapar das garras de um leão que rasteja em sua direção, e que ele se esforça em repelir, com uma mão após a outra, para se manter em equilíbrio.

Ou – Um homem pendurado pelas mãos.

Sagitário 28. Um camelo montado por seu cavaleiro avança lentamente, tendo em seu rastro uma tartaruga que caminha regularmente, sem se apressar, com suas pequenas patas bem esticadas para fora de sua carapaça.

Ou – Um homem sentado sobre um camelo.

Sagitário 29. Um homem faz cambalhota de um monte de feno sobre um outro, em um campo no qual atravessa uma lebre assustada.

Ou – Um homem saltando de um leito sobre o outro.

Sagitário 30. Uma pá de cavar esta fincada em um pedaço de terra e, sob um galpão-forjaria, se vê um homem que bate sobre uma massa de metal; objetos de ferro, picaretas, rodas etc., estão em redor dele.

Ou – Um homem agitando um martelo.

Capricórnio

Capricónio

Mandala de Capricórnio

Capricórnio 01. Um rapaz e uma garota estão em pé um perto do outro, o ar gracioso, as mãos entrelaçadas; mas suas cabeças se desviam, uma a direita, a outra a esquerda.

Ou – Dois homens de inteira semelhança.

Capricórnio 02. Dois homens saem de uma casa, levando sobre os ombros uma cana, como se transportassem uma pesada viga, e sobre a casa o cata-vento aponta sua flecha sem direção util.

Ou – Um homem levando uma cana.

Capricórnio 03. Uma longa serpente se enrola em torno de um castiçal de três braços, as velas acesas.

Ou – Uma grande serpente.

Capricórnio 04. As duas chaves do mundo divino, em um disco solar, cuja coroa irradia chamas; uma lâmpada suspensa e uma vestal que abriga a chama de sua lâmpada.

Ou – Duas chaves em cruz em um disco resplandecente.

Capricórnio 05. No seio de uma natureza aprazível, uma pequena casa se oferece a todos, portas e janelas amplas abertas; uma nascente canta próxima.

Ou – Duas portas abertas.

Capricórnio 06. Um homem coberto com uma capa caminha levando um pequeno cão sobre cada ombro, e em sua mão estendida, um coração sobremontado por uma chama.

Ou – Um homem levando um cão sobre cada ombro.

Capricórnio 07. Em um interior sombrio, dois homens e uma mulher estão em confabulação, e diante deles estão colocadas pequenas estatuetas e um coração perfurado com pregos.

Ou – Dois homens em pé com uma mulher.

Capricórnio 08. Uma águia leva sua presa que acaba de tomar de um rebanho de carneiros; enquanto uma jovem acaricia uma pomba-rola que tem em sua mão.

Ou – Uma mão levando uma ave.

Capricórnio 09. Um homem cai perto de uma chave quebrada e de uma cruz.

Ou – Um homem caído no chão.

Capricórnio 10. Um homem tem uma ave noturna em cada uma das suas mãos, e se nota uma terceira empoleirada em uma arvore a luz da Lua.

Ou – Um homem tendo em cada mão uma coruja.

Capricórnio 11. Um rei em seu trono se reclina para acolher um mensageiro que, profundamente inclinado, lhe apresenta um pergaminho selado.

Ou – Um rei coroado recebendo uma mensagem.

Capricórnio 12. A luz da Lua, um cão estimulado por seu dono persegue uma raposa que esta adiante e ganha terreno.

Ou – Um homem correndo com todas as suas forcas.

Capricórnio 13. Uma grade e um campo e, ao lado da grade, um homem em pé tem em sua mão uma pequena serpente erguida que ele estimula e que silva furiosamente.

Ou – Um homem levando nos ombros um bode degolado.

Capricórnio 14. Uma harpa esta colocada em um tapete de flores, e um homem com cabeça de falcão procura fazer vibrar as cordas.

Ou – Uma mão segurando um dardo.

Capricórnio 15. Um grande tripé com um braseiro de onde sobem altas chamas, e ao lado do qual um homem se mantém em pé, um carneiro sobre os ombros, meio imolador, meio açougueiro.

Ou – Um homem ajoelhado.

Capricorn 15

Capricórnio 16. Um bom cavaleiro sobre um belo cavalo passa em primeiro plano, e ao longe se vê um outro cavaleiro sem sela, fazendo acrobacias sobre seu cavalo que corre a toda velocidade.

Ou – Um homem montado em um cavalo sem freios.

Capricórnio 17. Em uma paisagem de Ile de France passa um personagem importante (talvez Luis XIV em Versalhes), olhando do alto um cortesão que se inclina cerimoniosamente.

Ou – Um homem com a cabeça de cão.

Capricórnio 18. Um homem em pé parece como que cortado em dois na altura da cintura, e próximo dele dois homens se batem selvagemente.

Ou – Um homem cortado em dois pela metade do corpo.

Capricórnio 19. Batido por um mar revolto, um rochedo emerge da tempestade, e sobre sua plataforma um homem esta em pé, seminu, mas com dois pés em cada perna, como incrustado na rocha.

Ou – Um homem em pé, tendo quatro pés, imóvel.

Capricórnio 20. Um macaco doméstico tendo esvaziado os estojos de sua dona está adornado com suas joias, se olha em um espelho fazendo graças, enquanto que, em suas costas, um congênere lhe faz careta.

Ou – Um macaco que se olha no espelho.

Capricórnio 21. Em um gabinete de trabalho, se vê uma alta estante sobre a qual um fólio está aberto, as páginas cobertas de hieróglifos. Sobre uma mesa, aparelhos científicos.

Ou – Um homem segurando um livro aberto.

Capricórnio 22. Em uma propriedade agrícola dando uma impressão de abastança, uma junta de bois começa um sulco na terra, e no fundo se percebe uma sólida construção campestre.

Ou – Um homem cavoucando a terra.

Capricórnio 23. Uma mulher, os olhos vendados, puxa pela mão um homem que a segue, derrubando em sua passagem a mesa na qual parece haverem feito um repasto amoroso.

Ou – Um homem puxando uma mulher pela mão.

Capricórnio 24. Um toneleiro termina um tonel novo, batendo sobre o último aro de ferro que lhe assegura a solidez; sobre um outro tonel terminado se encontra um copo semi-cheio de vinho.

Ou – Um homem fabricando um tonel.

Capricórnio 25. Em uma espécie de anfiteatro ocupado por um publico em pé, flechas lançadas por uma mão invisível atravessam o espaço; uma está perto de atingir o alvo, outra o ultrapassa, a terceira se fixa em uma cauda de peixe suspensa.

Ou – Um homem levando uma ave.

Capricórnio 26. Regatas a vela sobre uma extensão de mar calmo; da praia começa uma floresta de pinheiros a qual conduz um caminho.

Ou – Um caminho através de uma floresta.

Capricórnio 27. Na borda de uma floresta, um homem só passeia, se dirigindo para um campo no meio do qual esta construída sua casa, pequena, atarracada, engrinaldada por um pé de vinha.

Ou – Um homem deitado na grama.

Capricórnio 28. Um homem esta em pé, tendo acima de sua cabeça um globo luminoso, segurando com uma mão um sextante, com a outra um compasso.

Ou – Um homem levando um globo sobre sua cabeça.

Capricórnio 29. Em uma passagem solitária, um charco a borda do qual está deitada na vegetação uma estatua de mulher, como um belo corpo estendido.

Ou – Uma bela mulher sentada em um banquinho.

Capricórnio 30. Um homem toca flauta no meio de um viveiro cujos pássaros são familiares e, por toda parte, tombam bolas brilhantes, como aquelas que lançam os rojões dos fogos de artifício.

Ou – Uma cauda de peixe.

Aquário

Aquário

Mandala de Aquário

 Aquário 01. Duas espadas cruzadas, unidas ao meio por uma coroa de louros; no solo duas máscaras de esgrima.

Ou – Um homem segurando com cada mão uma ave.

Aquário 02. Diante de sua mesa de trabalho, um homem está sentado, e sobre suas mãos pousadas na mesa estão duas aves que ele olha com amizade. Ao lado, um registro, no qual figuram algumas anotações e, mais longe, um compasso, uma roda dentada e uma ampulheta.

Ou – Um homem segurando sua cabeça com as duas mãos.

Aquário 03. Uma mulher esta sentada perto de uma casa em ruínas, parecendo sentir imensa dor, enquanto que um homem, seu companheiro, acaba de se pôr em pé, apoiado em um solido bastão, corajoso e caminhando para uma claridade no fim do caminho.

Ou – Um homem inclinando a cabeça em sua mão.

Aquário 04. Um homem de bela presença sobe os degraus de uma escada de um palácio, enquanto que no pátio um cavaleiro de idade madura se prepara para partir, segurando diante dele um pequeno cofre cuidadosamente fechado.

Ou – Um homem a cavalo, levando diante dele um pequeno cofre fechado.

Aquário 05. Uma mulher nua, coroada de flores, contempla sua imagem refletida em um espelho d’água; em torno dela, esparsos, pincéis, uma paleta e diversas ferramentas de escultor.

Ou – Uma mulher seguida por um homem.

Aquário 06. Da extremidade de uma pradaria um arqueiro retesa seu arco para lançar sua flecha, em direção ao Sol! A pradaria está seca e chamas curtas e ligeiras a percorrem em todos os sentidos até aos pés do arqueiro que parece não as ver.

Ou – Um homem jogando com varetas.

Aquário 07. Um homem de postura enérgica, tendo tirado sua espada da bainha traspassa um alvo feito de uma boneca mole que, dilacerada, deixa cair o farelo de que é feita.

Ou – Um gládio fora da bainha, e colocado em terra.

Aquário 08. Um leão, sentado em uma arena aberta, olha altivamente um homem avançar se aproximando dele, trazendo em uma mão uma cabeça de carneiro e na outra uma forte corrente.

Ou – Um homem trazendo uma corrente em sua mão aberta.

Aquário 09. Sob o fogo dos relâmpagos que passam sobre um enorme rochedo e que parece parti-lo em dois, um homem carrega um outro sobre seus ombros.

Ou – Um homem que levanta um outro.

Aquário 10. Um homem caminha, mas um artífice do desenho faz parecer a cabeça e uma mão como que separadas do corpo.

Ou – Um homem sem cabeça.

Aquário 11. Cavaleiros armados avançam, e dois entre eles, ficam um pouco atrás, fazendo ataque como em um torneio.

Ou – Um homem armado, sem cabeça.

Aquário 12. Um touro se atira a toda velocidade sobre um outro que pasta tranquilamente na borda de um precipício, mas que o tendo visto vir recebe o choque sem tropeçar, sobre sua testa chifruda.

Ou – Um homem armado batendo um rei.

Aquário 13. Um leão em cólera, contra as barras de sua jaula.

Ou – Tropa de cavaleiros armados.

Aquário 14. Uma ponte quebrada em cima de uma torrente que rola águas tumultuosas e, na margem, como que para atravessá-la, um homem tem na mão um de seus pés cortado.

Ou – Um homem segurando na mão um de seus pés cortado.

Aquário 15. Uma forja acesa; um homem saindo tendo uma tocha que lança uma bela chama.

Ou – Dois homens montados em um unicórnio.

Aquarius 15

Aquário 16. Um belo navio, velas defraudadas, se afasta sobre um mar sereno, clareado pelo Sol nascente; na praia, dois homens montados sobre animais fantásticos, unicórnio, delfim ou cavalo marinho, olham o navio partindo.

Ou – Um homem tendo uma tocha.

Aquário 17. Um homem esta recostado sobre uma cadeira de descanso diante de sua casa. Pessoas vão e vem em um campo, uma mulher estende a roupa branca e uma criança o observa com ar inquieto.

Ou – Uma mulher doente deitada em um leito.

Aquário 18. Em um campo solitário, uma arvore se levanta, tendo uma coruja empoleirada: sob a árvore, uma mulher de menor categoria possível esta sentada, fechando sua capa em torno do corpo, e seu capuz em torno do pescoço.

Ou – Uma coruja empoleirada.

Aquário 19. Sobre o mar encapelado, um barco desamparado, ao qual se agarra, por uma mão, um homem, a cabeça ainda fora d’água, e tendo a outra mão em gesto de supremo apelo a um homem que se aproxima correndo. Sobre a praia, um asno parece tentar ler uma inscrição gravada em grandes letras sobre uma pedra tombada.

Ou – Um homem decapitado, levando sua cabeça na mão.

Aquário 20. Um homem vestido como deputado do terceiro-estado tem bem aberto um jornal que trás em manchete: “Os Direitos do Homem”, enquanto a direita se vê um padre pregando em publico.

Ou – Uma mulher decrépita, curvada sobre um bastão.

Aquário 21. Uma grande tartaruga e um camelo caminham juntos em uma paisagem desértica, e mais longe, adiante, se vê o camelo deitado deixando a tartaruga subir sobre o seu dorso para se repousar ou para concluir o resto do caminho.

Ou – Um homem deitado na terra, de costas.

Aquário 22. Um touro furioso pisoteia um cão que acaba de estripar e, a alguma distância, um homem se inclina sobre um cadáver; sua vitima ou um tema de estudos?

Ou – Um homem cortando com um machado os pés e as mãos de um outro homem.

Aquário 23. Uma atrelagem de cães, como se vê no norte, puxa galhardamente sua carga de potes de leite. E a borda do rio uma família de castores se movimenta na construção de sua pequena cidade.

Ou – Dois cães correndo de frente.

Aquário 24. Um homem, fraco e elegante, esta sentado despreocupadamente em um galho de uma arvore baixa, tendo um livro aberto na mão; mas ele parece sonhar mais do que lê, olhando um lírio selvagem cuja haste pende, mas que não está completamente quebrada.

Ou – Um homem chorando e enxugando os olhos com as costas da mão.

Aquário 25. Um homem de olhar sombrio, uma expressão de raiva furiosa em todo o corpo, bate os pés agitando um punhal; sua fronte esta golpeada por um rastro de sangue. Ele vira as costas para uma grande construção triste, (prisão ou asilo), onde todas as janelas têm barras e onde uma mão entreabre a pesada porta.

Ou – Um homem manejando um dardo.

Aquário 26. Um homem, os olhos vendados, caminha por uma fenda escancarada sob seus passos; do outro lado vem a ele um outro homem aureolado de luz.

Ou – Uma cascata tombando de um rochedo.

Aquário 27. Uma casa principesca sob um fundo de parque fechado por altas muralhas, mas cujo portão de entrada está totalmente aberto, dando a impressão de boa acolhida.

Ou – Uma casa rodeada por cercas.

Aquário 28. Um homem em pé, em trajes de noite, leva uma taca aos seus lábios; sobre a mesa, garrafas, cartas de jogar, dados, etc.

Ou – Um homem bebendo em uma taca.

Aquário 29. Sob uma árvore, um homem está adormecido sobre um monte de feno, enquanto se vê ao longe os camponeses ao trabalho; o homem vê em sonho as provisões acumuladas: aves domésticas, caças, salsicharia, etc., mas não se dá conta que um ladrão lhe esvazia os bolsos.

Ou – Um homem a cavalo, manejando um gládio.

Aquário 30. Sobre um trono, um cetro e um globo estão pousados; um homem coroado e envolvido com um manto de arminho caminha para tomar posse deles.

Ou – Um rei, coroa na cabeça, sentado em seu trono.

Peixes

Peixes

Mandala de Peixes

Peixes 01. Um homem e uma mulher em pé um contra o outro tendo uma só cabeça, se mantém diante de uma porta na qual se lê a palavra “escritório”. Em uma outra parte da casa, se vê um jovem casal diante de uma mesa graciosamente servida.

Ou – Uma cabeça de homem sobre um duplo corpo.

Peixes 02. Uma extensão de mar calmo sob o qual flutua um bonito cofre que o fluxo da maré aproxima da praia. Alguns pescadores se movimentam amontoando o sargaço, enquanto que um deles, sentado na areia olha o cofre, fazendo escorregar a areia entre seus dedos ociosos.

Ou – Um homem sentado no solo.

Peixes 03. Sob um peristilo, um homem vestido como fidalgo parece esperar. Para ele se dirige um grupo de pessoas de seu meio; atrás, uma mulher muito simplesmente vestida, e mais ao fundo um mendigo andrajoso.

Ou – Um homem comendo.

Peixes 04. Um retiro em uma clareira; no interior, ao fundo, um pequeno santuário: missal, cruz, turíbulo, lamparina acesa. Sobre uma mesa rústica, numerosos instrumentos de diversas profissões estão acumulados: violino, flauta, plaina, martelo, luneta, etc., assim como ervas benfazejas.

Ou – Um unicórnio agachado sobre a grama.

Peixes 05. Um homem amável caminha ladeado por duas jovens, das quais uma está coroada de flores e canta, enquanto a outra é simples e modesta. Ele segura a primeira pela cintura e oferece somente o braço para a segunda, aproximando-se de uma mesa cheia de refrescos, diante da qual amigos à aguardam.

Ou – Duas jovens que se olham.

Peixes 06. Uma torre em ruínas, invadida pela hera e plantas trepadeiras, domina um mar calmo no qual flutua um destroco. Embaixo da torre, um homem procura corajosamente remontar as pedras, para reconstruí-la.

Ou – Uma coruja empoleirada sobre ruínas.

Peixes 07. Em uma grande cozinha, um cozinheiro inclinado sobre um aquário tem na mão um belo peixe que ele acaba de escolher entre os outros.

Ou – Um homem tendo um turíbulo.

Peixes 08. Um homem e uma mulher cavalgando a passos lentos, seus cavalos bem alinhados; atrás deles, dois círculos concêntricos um dentro do outro.

Ou – Um homem nu, em uma cuba, tendo uma cinta na mão.

Peixes 09. Um velho com alforje, pobremente, mas propriamente vestido, desce a colina; em primeiro plano se silhuetam, em uma síntese de diversas construções emblemáticas, os países que tem percorrido, mas ele só tem olhos para a casinha, onde a chaminé fumega e cuja porta está aberta a sua espera.

Ou – Um homem em um caminho, levando um alforje suspenso em um bastão.

Peixes 10. Um cavalo selvagem, crina ao vento, salta por cima de uma barreira que cerca seu pasto e de onde ele se evade.

Ou – Um homem socando em um almofariz.

Peixes 11. Sobre um desses leitos que servem de assento nas salas de festins romanos, um homem esta sentado na frente, e uma mulher recostada, atrás, ambos com atitudes livres, em trajes de festa.

Ou – Um homem caminhando com um bastão.

Peixes 12. A esquerda um cone reto; à direita, um cone truncado; entre os dois esta em pé um homem jovem, ricamente vestido, que brinca negligentemente com seu relógio de bolso, se bem que olhando para o lado do cone reto.

Ou – Um homem jovem ricamente vestido olhando para trás.

Peixes 13. Um guerreiro ridiculamente sobrecarregado de armas aponta para adiante dele com um arco; enquanto uma mulher, em um barco, se abandona a correnteza, sem remos.

Ou – Um homem e uma mulher cavalgando a passos lentos.

Peixes 14. Um homem racha vigorosamente a lenha em uma clareira; os estéreos estão alinhados e uma roda de crianças parece encorajar o trabalhador em sua tarefa.

Ou – Um homem rachando lenha em uma floresta.

Peixes 15. Uma flecha atravessa uma nuvem de fumaça atrás da qual se percebe cumes nevados, e abaixo, ao longo de uma mata, um homem caminha, fortemente curvado, com faca descoberta na mão.

Ou – Um homem armado com uma faca.

Pisces 15

Peixes 16. Na selva, ao abrigo de uma rocha, um tigre deitado, mas atento, monta guarda diante de seus três filhotes que brincam ou dormem.

Ou – Um homem levando um galo.

Peixes 17. Um homem cai na água, os braços levantados, pedindo socorro, apavorado com o desabamento da ponte, enquanto que abaixo um homem corre para se jogar voluntariamente no rio.

Ou – Um homem que se lança na água.

Peixes 18. Um cavalo carregando seu cavaleiro sem sela cai ao saltar uma barreira, levando a desordem ao restante do bando de cavalos do prado, onde dois se lançam um sobre o outro para se morderem.

Ou – Dois cavalos que se batem.

Peixes 19. Em um laboratório, sobre uma mesa longa, estão colocadas ferramentas e instrumentos utilizados em química e em medicina; na extremidade da mesa, um preparador mói alguma coisa em um almofariz.

Ou – Um homem que se perfura com um gládio.

Peixes 20. A Lua pálida, flutuando nas brandas nuvens, como quando se diz “que ela falha”, ilumina abaixo pequenos moinhos de vento, colocados irregularmente, a torto e a direito.

Ou – A Lua flutuando através das nuvens.

Peixes 21. Um homem indiferente, em um barco sem remos, oscilando em pleno mar, enquanto que na praia um grande peixe encalhado atrai as aves de rapina.

Ou – Dois homens que se apunhalam mutuamente.

Peixes 22. Uma bela cortesã se inclina sobre um homem jovem inanimado ou adormecido sobre um divã, em um cenário equivoco.

Ou – Uma bela mulher, com suas vestes dilaceradas.

Peixes 23. Em um interior rico, dois belos punhais com cabos cinzelados estão colocados sobre uma mesa; um homem jovem sentado perto da mesa olha atentamente os punhais.

Ou – Uma mulher em um barco sem remos.

Peixes 24. Um brilhante crescente lunar emerge de uma nuvem muito escura, de onde cai um raio, iluminando dois homens que se esmurram.

Ou – Um homem e uma mulher deitados em uma cama.

Peixes 25. Uma espada em pé, na qual esta suspensa uma coroa principesca; e um pouco mais longe um homem comum lança pedras.

Ou – Um homem lançando pedras com uma atiradeira.

Peixes 26. Um homem armado com uma lança, se protege com um escudo, vendo um mercenário que se inclina para uma sentinela adormecida, com a intenção de lhe cravar seu sabre curto no corpo.

Ou – Uma mulher cortando a cabeça de um guerreiro adormecido.

Peixes 27. Um homem nu bate durante a noite a porta de uma casa discreta, no momento mesmo em que um tremor de terra desloca a casa, entreabre a terra, desarraigando árvores.

Ou – Um homem nu, batendo a uma porta.

Peixes 28. Sob um violento aguaceiro, um homem sem visão e semi-submerso no lençol d’água de uma lagoa agitada pela tempestade, estende o braço apelando por socorro; de um pequeno ancoradouro abrigado, um homem lhe faz sinal para nadar naquela direção onde ele encontrara a salvação.

Ou – Um homem a cavalo, levando em uma mão uma ave e na outra uma serpente.

Peixes 29. Uma Cassandra descabelada, gesticulando, percorre as ruas da cidade, enquanto que no templo da Sibila, uma sacerdotisa prediz o futuro a uma adolescente.

Ou – Um grande peixe encalhado na praia.

Peixes 30. Em uma vasta antecâmara, onde um grande vidro guarnece até o piso um dos painéis, uma mulher jovem, com acoite, com botas, maneiras de cavaleira, se admira dos pés a cabeça.

Ou – Uma mulher que se olha no espelho.

michael_parkes_athena