O Tetrabiblos de Ptolomeu III

— Tetrabiblos —

Tratado Matemático Quadripartite. Quatro livros sobre a influência das estrelas. Traduzido da paráfrase grega de Proclo por J. M. Ashmand. Londres. Davis and Dickson. (1822)

Traduzido para o português a partir da versão encontrada em Classical Astrologer.

Prefácio

É justo dizer que Cláudio Ptolomeu deu a maior contribuição individual à transmissão e à preservação do conhecimento astrológico e astronômico do mundo Clássico e do Antigo. Nenhum estudo de astrologia tradicional pode ignorar a importância e a influência deste trabalho enciclopédico. Ele fala não somente das estrelas, mas também de uma cosmologia distinta que prevaleceu até o até o século XVIII.

Em termos práticos, a Lua realmente tem o efeito mais imediato na Terra que é, no final das contas, nosso ponto de referência. Ele muda as marés, influencia o crescimento vegetativo e os ciclos menstruais. Na verdade, ela influencia o próprio clima.

O que veio a ser conhecido como o Universo Ptolomaico consistia de círculos concêntricos emanando a partir da Terra até a oitava esfera das Estrelas Fixas, também conhecido como o Empíreo. Esta cosmologia é tanto espiritual quanto física. É, decididamente, uma cosmologia moral.

Ptolomeu foi, principalmente e antes de tudo, um antologista. Este conhecimento chegou a ele do Egito, da Grécia, da Caldéia, da Babilônia e de mais longe. Mais precisamente, ele estava na invejável posição de estar em Alexandria durante o cume de sua eminência. Alexandria estava em ebulição espiritual e intelectual. Ptolomeu está claramente utilizando um grande leque de fontes no Tetrabiblos. Sua cosmologia articulada passou a ser chamada pelo seu próprio nome.

Política Editorial

Neste como em qualquer texto, sempre há discussões sobre qual tradução é a definitiva. Esta edição de 1822 já foi, anteriormente, difícil de ser encontrada em um formato digital prático e legível. O estilo é às vezes excêntrico; mas para qualquer um interessado no assunto, isso será rapidamente perdoado. Havia uma legião de erros tipográficos no original, chegando à casa das centenas. Estes erros foram corrigidos onde não havia dúvida sobre a palavra pretendida. Os arcaísmos permaneceram intactos. Alguns erros gramaticais, como um ponto no lugar de uma vírgula, quando a palavra seguinte não começava com maiúscula, foram editados para fazer mais sentido, não para mudar o conteúdo. Palavras faltantes foram adicionadas entre colchetes para indicar que elas não estão no original. Eu não fiz nenhum esforço para manter a paginação original neste formato.

Sempre que o significado pretendido não era claro eu deixei a frase do jeito que estava. Um exemplo disso é o uso da palavra “lang”, que pode estar no lugar tanto de “long” (longo, demorado) como “lung” (pulmão) quando se refere a Saturno e enfermidades. Estes pontos foram confiados ao discernimento do leitor. De resto, o texto original permaneceu inalterado (em caso de dúvida, o texto em português trará o sentido mais provável. Aqueles que realmente quiserem ter acesso ao pensamento original, sem distorções de tradução, de Ptolomeu, sintam-se à vontade para ler o original. Esta é uma tradução de uma tradução de uma tradução de um texto bastante antigo).

Essa edição e formato foram primeiramente concebidos para meus estudantes on-line do Traditional Astrology Course. O texto prestou-se bem para este fim. Eu convido o leitor a distribuir livremente este e-book, com o conhecimento de que o texto, incluindo os créditos, devem permanecer intactos. Confiram as versões atualizadas em minha página na web, de tempos em tempos.

Victoria, Columbia Britânica, Fevereiro de 2006.

Prof. Peter J. Clark

Sumário

Livro I

• Introdução
• Conhecimento por Meios Astronômicos
• Que ele também é benéfico
• Poderes dos Planetas
• Planetas Benéficos e Maléficos
• Planetas Masculinos e Femininos
• Planetas Diurnos e Noturnos
• Poderes dos Aspectos com o Sol
• Poderes das Estrelas Fixas.
• Efeito das Estações e dos Quatro Ângulos
• Signos Solsticiais, Equinociais, Sólidos e Bicorpóreos
• Signos Masculinos e Femininos
• Aspectos dos Signos
• Signos Comandantes e Obedientes
• Signos que se Observam e Signos de Mesmo Poder
• Signos Disjuntos
• Sobre os Domicílios dos Diversos Planetas

Proêmio

Os estudos preliminares à realização de prognósticos pela Astronomia, ó Ciro, são dois: o primeiro, equivalente em ordem e poder, leva ao conhecimento dos posicionamentos do Sol, da Lua, e das estrelas, e dos seus aspectos relativos uns aos outros, e à Terra; o outro leva em consideração as mudanças que esses aspectos criam, por meio de suas propriedades naturais, nos objetos sob sua influência.

O primeiro estudo mencionado já foi explicado na Sintaxe da forma mais extensa possível, pois ele é completo em si mesmo, e de utilidade essencial mesmo sem ser combinado com o segundo, ao qual este estudo será devotado, e que não é igualmente auto-suficiente. O presente trabalho deve, no entanto, ser regulado pela devida atenção à verdade que a filosofia exige; e, uma vez que a qualidade material dos objetos que sofrem a ação dos astros os torna fracos e variáveis, e difíceis de ser apreendidos de forma acurada, não podem ser apresentadas aqui regras positivas ou infalíveis (como foram apresentadas ao detalharmos a primeira doutrina, que é sempre governada pelas mesmas leis imutáveis); enquanto, por outro lado, não devemos omitir uma observação cuidadosa da maioria daqueles eventos gerais cujas causas podem ser evidentemente rastreadas até o Ambiente.

No entanto, é uma prática constante do vulgo desdenhar de tudo que seja difícil de perceber, e com certeza aqueles que condenam o primeiro destes dois estudos devem ser considerados completamente cegos, quaisquer que sejam os argumentos produzidos para sustentar a opinião daqueles que impugnam o segundo. Também há pessoas que imaginam que o que quer que eles não sejam capazes de apreender deve estar completamente além do alcance de todo o entendimento; enquanto outros ainda considerarão como inútil qualquer ciência que (mesmo que tenham sido muitas vezes instruídos nela) não tenham conseguido recordar-se, devido à sua dificuldade de retenção. Com relação a essas opiniões, portanto, será feita uma tentativa de investigar em que medida a realização de prognósticos pela astronomia é praticável, além de útil, antes de detalhar as minúcias da doutrina.

Livro I

1. Introdução do Livro I

Dos meios de predição através da astronomia, ó Ciro, dois são os mais importantes e válidos. Um, que é o primeiro tanto na ordem como na eficácia, é o pelo qual apreendemos os aspectos dos movimentos do Sol, da Lua e das estrelas em relação uns aos outros e à Terra, à medida em que eles ocorrem de tempos em tempos; o segundo é aquele no qual, por meio da característica natural desses aspectos em si mesmos, investigamos as mudanças que eles trazem ao que eles abrangem. O primeiro destes, que possui sua própria ciência, desejável por si mesma ainda que não atinja o resultado dado por sua combinação com a segunda, foi exposto a você o melhor que pudemos em um tratado próprio pelo método demonstrativo. Devemos agora apresentar um relato do segundo e menos auto-suficiente método de um modo propriamente filosófico, de forma que alguém cujo objetivo seja a verdade nunca compare as percepções relativas a este com a certeza da primeira ciência (que é invariável), pois ele atribuiria a ela a fraqueza e a imprevisibilidade das qualidades materiais encontradas nas coisas individuais, nem tampouco se abstenha dessa investigação enquanto ela esteja dentro dos limites das possibilidades, quando é tão evidente que a maioria dos eventos de natureza geral tem suas causas nos céus que nos envolvem. No entanto, uma vez que normalmente os homens em geral atacam tudo o que é difícil de perceber, e no caso das duas disciplinas mencionadas anteriormente alegações contra a primeira podem ser feitas apenas pelos cegos, enquanto há fundamentos para as levantadas contra a segunda – pois sua dificuldade em certas partes os fizeram considerá-la completamente incompreensível, ou a dificuldade de escapar ao que é sabido fez com que seu próprio objeto fosse considerado inútil – devemos tentar examinar brevemente a extensão tanto da possibilidade quanto da utilidade desse tipo de prognóstico antes de oferecer instruções mais detalhadas sobre o assunto. Em primeiro lugar, sobre a sua possibilidade.

2. Que o conhecimento por meios astronômicos é possível de ser obtido, e em que extensão

Algumas poucas considerações tornariam aparente a todos que um certo poder emanando da substância eterna etérea está disperso, permeando toda a região acima da Terra, a qual é em toda sua extensão sujeita a mudanças, uma vez que, dos elementos sublunares primários, o fogo e o ar são circundados e sofrem mudanças pelos movimentos do éter, e por sua vez circundam e mudam todo o mais, a Terra, a água e os animais e plantas nelas contidos.

Pois o Sol, junto com o ambiente, está sempre da mesma forma afetando tudo na Terra, não só pelas mudanças que acompanham as estações do ano para produzir a geração dos animais, a produtividade das plantas, o fluxo das águas e as mudanças nos corpos, mas também por suas revoluções diárias, que levam calor, umidade, secura e frio em ordem regular e em correspondência com as posições relativas ao zênite.

A Lua, também, uma vez que é o corpo celeste mais próximo da Terra, exerce sua influência da forma mais abundante sobre as coisas mundanas, pois elas, em sua maioria, animadas ou inanimadas, são simpáticas a ela e com ela mudam conjuntamente; os rios aumentam e diminuem seu volume de acordo com sua luz, os mares geram suas próprias marés de acordo com seu nascer e seu poente, e as plantas e os animais no todo ou em uma mesma parte crescem e mínguam com ela.

Além disso, as passagens das estrelas fixas e dos planetas pelo céu muitas vezes significam que as condições do ar serão de calor, de vento ou de neve, e as coisas mundanas são afetadas da mesma forma.

Então, seus aspectos uns com os outros, pelo encontro e pela mistura de seus eflúvios, produzem muitas mudanças complicadas, pois embora o poder do Sol prevaleça no ordenamento geral da qualidade, os outros corpos celestes ajudam ou se opõem a ele em detalhes particulares, a Lua de forma mais óbvia e contínua, como por exemplo quando está nova, crescente ou cheia, e as estrelas a intervalos maiores e de forma mais obscura, como quando de seus aparecimentos, ocultações e aproximações.

Se esses assuntos fossem considerados desta forma, todos julgariam que necessariamente não apenas as coisas já compostas devem ser afetadas do mesmo modo pelo movimento destes corpos celestes, mas da mesma forma a germinação e a fruição da semente deve ser moldada e conformada à qualidade própria dos céus naquele momento.

Os fazendeiros e criadores de gado mais observadores, na verdade, conjeturam, a partir dos ventos que prevaleçam no momento da reprodução ou da semeadura, a qualidade do que resultará, e de forma geral vemos que as conseqüências mais importantes significadas pelas configurações mais óbvias do Sol, da Lua e das estrelas são normalmente conhecidas de antemão, mesmo por aqueles que investigam, não por meios científicos, mas somente por observação. Aquelas que têm conseqüências sobre as maiores forças e as ordens naturais mais simples, como as variações anuais das estações e dos ventos, são compreendidas mesmo por homens muito ignorantes, até mesmo por algumas bestas; porque o Sol é geralmente responsável por estes fenômenos.

As coisas que não são de uma natureza tão geral, no entanto, são entendidas por aqueles que por necessidade se acostumaram a realizar observações, já que, por exemplo, os marinheiros conhecem os sinais especiais das tempestades e dos ventos que surgem periodicamente por meio dos aspectos da Lua e das estrelas fixas com o Sol. No entanto, porque eles não conseguem, em sua ignorância, saber de forma precisa os momentos e os locais destes fenômenos, nem os movimentos periódicos dos planetas, que contribuem de forma importante para o efeito, acontece que eles freqüentemente erram.

Se, então, um homem souber de forma precisa os movimentos de todas as estrelas, do Sol, e da Lua, de forma a que nem o lugar nem o momento de nenhuma de suas configurações escapem de sua atenção, e se ele distinguiu suas naturezas em geral como o resultado de um estudo continuado prévio, e que ele possa mesmo discernir, não suas qualidades essenciais, mas apenas suas qualidades potencialmente efetivas, como o poder de aquecimento do Sol e de causar umidade da Lua, e da mesma forma com os outros, e se ele for capaz de determinar, tendo em vista todos estes dados, tanto de forma científica quanto por conjeturas sucessivas, a marca distintiva da qualidade que resulta da combinação de todos os fatores, o que o iria impedir de ser capaz de afirmar em cada ocasião as características do ar, a partir das relações dos fenômenos no momento; por exemplo, que ele esquentaria ou se tornaria mais úmido? Porque ele também não poderia, em relação a um homem individual, perceber a qualidade geral do seu temperamento a partir do ambiente no momento de seu nascimento, como por exemplo dizer que ele é assim e assim de corpo, e assim e assim de alma, e prever eventos ocasionais, utilizando o fato de que tal e tal ambiente seja condizente com tal e tal temperamento e seja favorável à prosperidade, enquanto que outro não seja tão condizente e conduza a danos? É o bastante, no entanto, com relação à possibilidade de que esse conhecimento possa ser compreendido a partir deste argumento e de similares.

As considerações seguintes podem nos levar a observar que a crítica a essa ciência com base na sua impossibilidade foi abundante, mas inválida.

Em primeiro lugar, os erros daqueles que foram instruídos de forma eficiente nesta prática, e eles são muitos, como se poderia esperar em uma arte importante e multifacetada, geraram a crença de que mesmo suas previsões verdadeiras dependiam do acaso, o que é incorreto. Pois uma coisa como essa é uma impotência, não da ciência, mas daqueles que a praticam.

Em segundo lugar, a maioria, visando o lucro, advoga crédito para outra arte no nome desta, e engana o vulgo, pois tem a reputação de prever muitas coisas, mesmo aquelas que não podem ser naturalmente conhecidas de antemão, enquanto que esta maioria deu oportunidade para que pessoas com maior discernimento apresentassem julgamentos igualmente desfavoráveis sobre os assuntos naturais da profecia, o que não é correto.

Ocorre o mesmo com a filosofia – não necessitamos aboli-la porque há trapaceiros evidentes entre aqueles que a professam.

No entanto, é claro que mesmo que se aborde a astrologia com o espírito mais inquisitivo e legítimo possível, pode-se freqüentemente errar, não pelos motivos já apresentados, mas pela própria natureza da coisa e pela própria fraqueza da pessoa em comparação com a magnitude de sua profissão.

Pois, em geral, além do fato de que toda ciência que lida com a qualidade material de seu objeto é conjetural e não pode ser afirmada de forma absoluta, particularmente uma que é composta de diversos elementos díspares, é também verdade que as configurações antigas dos planetas, com base nas quais ligamos os aspectos similares de nossos dias aos efeitos observados pelos antigos nos deles, podem ser mais ou menos similares aos aspectos modernos, e isso, também, a intervalos longos, mas não idênticos, uma vez que o retorno idêntico de todos os corpos celestes e a Terra às mesmas posições, a menos que se sustente opiniões vãs sobre a própria habilidade de compreender e conhecer o incompreensível, ou não ocorre de maneira nenhuma ou não ocorre ao menos no período de tempo compreendido na experiência do homem; desta forma, por esta razão, suas previsões às vezes falham, devido à disparidade dos exemplos nos quais eles se baseiam.

Com relação à investigação dos fenômenos atmosféricos, isso seria a única dificuldade, uma vez que não se leva em consideração outra causa além do movimento dos corpos celestes.

Entretanto, em uma investigação sobre natividades e temperamentos individuais em geral, pode-se ver que há circunstâncias de grande importância e de caráter não trivial, que se juntam para causar as qualidades especiais dos que nascem. Assim, diferenças na semente exercem uma influência muito grande nos traços especiais do gênero, já que, se o ambiente e o horizonte são os mesmos, cada semente expressa prevalentemente sua própria forma, por exemplo homem, cavalo, e assim por diante, e os locais de nascimento produzem uma variação nada desprezível no que é produzido, porque se a semente é genericamente a mesma, a humana por exemplo, e as condições do ambiente são as mesmas, aqueles que nascem diferem muito, tanto no corpo quanto na alma, de acordo com as diferenças entre os países. Além disso, todas as condições mencionadas acima sendo iguais, a criação e os costumes contribuem para influenciar o modo particular no qual uma vida é vivida. A menos que cada uma dessas coisas seja examinada juntamente com as causas que são derivadas do ambiente, mesmo que se conceda a esta última a maior influência exercida (pois o ambiente é uma das causas deles serem o que são, enquanto por sua vez eles não exercem nenhuma influência sobre ele), elas podem causar muita dificuldade para aqueles que acreditam que nestes casos tudo pode ser compreendido, mesmo as coisas que não estejam completamente sob a sua jurisdição, a partir somente do movimento dos corpos celestes.

Uma vez que este seja o caso, não se deveria dispensar todo prognóstico deste tipo porque ele pode, às vezes, ser feito de maneira incorreta, uma vez que não negamos crédito à arte do piloto devido a seus muitos erros, mas como quando as questões são grandes, assim como quando são divinas, devemos dar boas vindas ao que é possível dizer e considerá-lo suficiente. Nem, além disso, devemos, às cegas e de forma humana, exigir tudo da arte, mas ao contrário se juntar a ela na apreciação da beleza, mesmo em ocasiões em que ela não possa fornecer a resposta completa; e, da mesma forma que não encontramos falha nos médicos, quando eles, ao examinar alguém, falam ao mesmo tempo da doença em si e das idiossincrasias do paciente, assim também neste caso não devemos objetar que se use como base para os cálculos a nacionalidade, o país e a criação da pessoa em questão, ou quaisquer outras qualidades acidentais existentes.

3. Que ele também é benéfico

De uma forma um pouco resumida demonstrou-se como o prognóstico por meios astronômicos é possível, e que ele não pode ir além do que acontece no ambiente e de suas conseqüências para o homem de tais causas – ou seja, ele enfoca os surgimentos originais das faculdades e atividades da alma e do corpo, suas doenças ocasionais, suas durações por um período longo ou curto, e, além disso, todas as circunstâncias externas que têm uma conexão diretiva e natural com os dons originais da natureza, como propriedade e casamento no caso do corpo e honra e dignidades no caso da alma, e finalmente o que lhes acontece de tempos em tempos.

A parte restante de nosso projeto seria investigar brevemente sobre sua utilidade, em primeiro lugar distinguindo como e com qual fim em vista nós devemos utilizar o significado da palavra utilidade. Porque, se olharmos para os bens da alma, o que poderia conduzir melhor ao bem viver, ao prazer e à satisfação em geral do que este tipo de previsão, pelo qual adquirimos uma visão completa das coisas humanas e divinas?

E se olharmos para os bens corporais, tal conhecimento, melhor do que qualquer outra coisa, diria o que é conveniente e produtivo para as capacidades de cada temperamento.

Mas se ele não ajuda na aquisição de riqueza, fama, e coisas afins, devemos ser capazes de dizer o mesmo de toda a filosofia, pois ela não fornece nenhuma dessas coisas por si só. Não estaríamos, no entanto, por esta razão, certos em condenar tanto a filosofia quanto esta arte, desprezando suas grandes vantagens.

Em um exame geral pareceria que aqueles que vêem um defeito na inutilidade do prognóstico não se interessam pelos assuntos mais importantes, mas apenas por isso – que o conhecimento prévio dos eventos que irão acontecer de qualquer forma é supérfluo; isso, também, é dito sem reservas e sem o devido discernimento.

Pois, em primeiro lugar, devemos considerar que mesmo com eventos que necessariamente ocorrerão, sua imprevisibilidade facilmente causa pânico excessivo e alegria delirante, enquanto o conhecimento prévio acostuma e acalma a alma pela experiência de eventos distantes como se eles estivessem presentes, e a prepara para acolher com calma e serenidade o que vier.

Uma segunda razão é que não devemos acreditar que eventos separados ocorram para a humanidade, como resultado da causa celestial, como se eles tivessem sido ordenados originalmente para cada pessoa por um comando divino irrevogável e destinados a acontecer sem a possibilidade de nenhuma outra causa, qualquer que seja, intervir.

Ao contrário, é verdade que o movimento dos corpos celestes, com certeza, é realizado eternamente de acordo com um destino divino e imutável, enquanto que a mudança nas coisas terrenas está sujeita a um ritmo natural e mutável, que, mesmo recebendo suas causas primeiras do alto, é governado pelo acaso e pela seqüência natural.

Além disso, algumas coisas acontecem à humanidade através de circunstâncias gerais e não como resultado das propensões naturais do indivíduo – por exemplo, quando os homens perecem em multidões devido à conflagração de uma peste ou cataclismo, por mudanças monstruosas e inescapáveis no ambiente, pois a causa subordinada sempre deve dar lugar à maior e mais forte; outras ocorrências, no entanto, estão de acordo com o próprio temperamento individual, através de antipatias menores e fortuitas do ambiente.

Pois, se estas distinções são assim feitas, é claro que tanto no geral quanto em particular quaisquer que sejam os eventos que dependam de uma primeira causa, que seja irresistível e mais poderosa que qualquer uma que se oponha a ela, estes devem acontecer de qualquer modo; por outro lado, dos eventos que não têm esta característica, aqueles que possuem forças que lhe resistam, são facilmente evitados, enquanto aqueles que não são, seguem as causas primarias naturais, é claro, mas isso é devido à ignorância e não à necessidade de um poder superior.

Deve-se observar a mesma coisa acontecendo em todos os eventos que tenham causas naturais. Pois, mesmo em se tratando de pedras, plantas, e animais, e também de feridas, acidentes e doenças, algumas são de natureza que devem agir necessariamente, outras que devem agir se nenhuma outra coisa oposta interferir. Deve-se portanto acreditar que os filósofos da natureza prevêem o que deve acontecer ao homem, tendo o conhecimento prévio desta característica, e não abordam a sua tarefa sob falsas impressões; pois algumas coisas, porque suas causas eficientes são numerosas e poderosas, são inevitáveis, mas outras pelas razões contrárias podem ser evitadas.

Da mesma forma, aqueles médicos que podem reconhecer doenças sabem quais são sempre fatais e quais que admitem tratamento. No caso de eventos que podem ser modificados devemos dar crédito ao astrólogo, quando, por exemplo, ele diz que para tal e tal temperamento, com tal e tal característica do ambiente, se as proporções fundamentais diminuírem ou aumentarem, tal e tal afeição resultará. Da mesma forma, devemos acreditar no médico, quando ele diz que esta inflamação se espalhará ou causará putrefação, e no mineiro, por exemplo, quando ele diz que a magnetita atrai o ferro. Da mesma forma que cada um destes, se deixado a si mesmo pela ignorância das forças opostas, inevitavelmente se desenvolverá do modo que sua natureza original o compelir, mas nem a inflamação se espalhará ou causará putrefação, se receber tratamento preventivo, nem a magnetita atrairá o ferro, se for esfregada com alho, e estas próprias medidas repressivas também tem sua força de resistência naturalmente e devida ao destino; portanto, também nos outros casos, se acontecimentos futuros em relação ao homem não forem conhecidos, ou se eles forem conhecidos e os remédios não forem aplicados, eles necessariamente irão seguir o curso de sua natureza primária; mas se eles forem reconhecidos antes do tempo e os remédios forem providenciados, novamente completamente de acordo com a natureza e o destino, eles ou não ocorrerão de forma nenhuma ou serão menos severos.

E, em geral, uma vez que esse poder é o mesmo se for aplicado a coisas consideradas universalmente ou particularmente, é de se admirar que todos acreditem na eficácia da previsão em assuntos universais, e em sua utilidade em preservar interesses particulares (pois a maior parte das pessoas admite que têm conhecimento prévio das estações, da significação das constelações, e das fases da Lua, e raciocinam com bastante antecedência para se salvaguardar, sempre obtendo meios de se resfriar para se proteger do verão e de se aquecer durante o inverno, e em geral preparando suas próprias naturezas, tendo a moderação como um objetivo; além do mais, para garantir a segurança das estações e de suas viagens marítimas eles observam os significados das estrelas fixas, e para o início da reprodução e da semeadura, os aspectos da luz da Lua quando está cheia, e ninguém nunca condena estas práticas como impossíveis ou inúteis); mas, por outro lado, quando se considera assuntos particulares e aqueles que dependem da mistura de outras qualidades – como as previsões de aumento ou diminuição, de frio ou calor, e do temperamento individual – algumas pessoas não acreditam nem que o conhecimento prévio seja possível nem que seus conselhos possam ser seguidos em alguns casos.

Mesmo assim, uma vez que é óbvio que, se por acaso nos refrescarmos para contrabalançar o calor em geral, nós sofreremos menos com ele, medidas similares podem se provar eficientes contra forças particulares que aumentam este temperamento particular para uma quantidade desproporcional de calor, pois a causa deste erro é a dificuldade e a falta de familiaridade com a arte de prognosticar em particular, um motivo que em diversas outras situações gera descrédito. E, uma vez que para a grande maioria a faculdade de resistir não está associada com o prognóstico, uma vez que uma disposição tão perfeita é rara, e uma vez que a força da natureza segue o seu curso sem restrições no que diz respeito às naturezas primárias, produziu-se uma opinião de que todos os eventos futuros, sem exceção, são inevitáveis e inescapáveis.

No entanto, creio eu, da mesma forma que, com a previsão, mesmo se não inteiramente infalível, ao menos suas possibilidades merecerão a maior consideração, também no caso da prática defensiva, mesmo que não disponibilize um remédio para tudo, sua autoridade, em alguns casos ao menos, mesmo que poucos ou não importantes, deveriam ser bem-vindos e estimados, e considerados como aproveitáveis em um modo não usual.

Reconhecendo, aparentemente, que essas coisas são desta forma, aqueles que mais avançaram este aspecto da arte, os egípcios, uniram completamente a medicina e a predição astronômica. Pois eles nunca teriam desenvolvido certos meios de evitar, repelir ou remediar as condições universais e particulares que virão ou que já estejam presentes devido ao ambiente, se eles acreditassem que o futuro não pode ser modificado ou movido. Mas, na verdade, eles põem a faculdade de resistir por métodos ordenados naturais em segundo lugar com relação aos decretos do destino, e reconheceram na possibilidade de previsão sua faculdade útil e benéfica, através do que eles chamam de seus sistemas iatromatemáticos (astrologia médica), de modo que por meio da astronomia eles podem ter sucesso em aprender as qualidades das temperaturas subjacentes, os eventos que irão ocorrem no futuro devido ao ambiente, e suas causas especiais, escorados no fato de que sem este conhecimento quaisquer medidas de ajuda irão, na maior parte dos casos, falhar, porque não se aplicam a todos os corpos ou doenças; e, por outro lado, pelos meios da medicina, pelo seu conhecimento do que seja propriamente simpático ou antipático em cada caso, eles, na medida do possível, tomam as medidas de precaução contra as doenças que estão para se manifestar e prescrevem tratamentos infalíveis para as doenças já existentes.

Deixemos que este seja, neste ponto, nosso esboço preliminar resumidamente exposto. Devemos agora conduzir nossa discussão nos moldes de uma introdução, começando com as características de cada um dos corpos celestes em relação a seu poder ativo, de acordo com as observações físicas agregadas a eles pelos antigos, e em primeiro lugar os poderes dos planetas, do Sol e da Lua.

4. Sobre o Poder dos Planetas

Observa-se que o poder ativo da natureza essencial do Sol é aquecer e, em algum grau, secar. Isso se torna ainda mais fácil de perceber no caso do Sol do que para qualquer outro corpo celeste, devido a seu tamanho e à obviedade de suas mudanças sazonais, pois quanto mais ele se aproxima do zênite mais ele nos afeta desta forma.

O poder da Lua consiste principalmente em umedecer, claramente porque ela está perto da Terra e por causa das exalações úmidas que vêm daí. Sua ação então é precisamente esta, na maior parte, amolecer e causar putrefação em corpos, mas ela também tem, moderadamente, a sua parte no poder de aquecer por causa da luz que ela recebe do Sol.

A qualidade de Saturno é principalmente de esfriar e mais raramente, secar, provavelmente porque ele está mais afastado tanto do calor do sol como das exalações úmidas da Terra.

Tanto no caso de Saturno quanto no caso dos outros planetas existem poderes, também, que aparecem através da observação de seus aspectos com o Sol e com a Lua, porque alguns deles parecem modificar as condições do ambiente de uma forma, alguns de outra, por aumento ou diminuição.

A natureza de Marte é principalmente secar e queimar, em conformidade com sua coloração abrasiva e em razão da sua proximidade com o Sol, pois a esfera do Sol está localizada logo abaixo dele.

Júpiter possui uma força ativa temperada, porque seu movimento ocorre entre a influência fria de Saturno e o poder incinerador de Marte. Ele aquece e também umedece, e porque seu poder de cura é o maior em razão das esferas subjacentes, ele produz ventos fertilizantes.

Vênus tem os mesmos poderes e a mesma natureza temperada de Júpiter, mas age de forma oposta, pois ela aquece moderadamente por causa da sua proximidade do Sol, mas umedece principalmente, do mesmo modo como a Lua, por causa da quantidade da sua própria luz e porque ela se apropria das exalações da atmosfera úmida que envolve a Terra.

Mercúrio, em geral, em alguns momentos seca e absorve a umidade, porque ele nunca está muito longe, em longitude, do calor do Sol, e então umedece, porque está próximo, logo acima, da esfera da Lua, que está mais próxima da Terra; e muda rapidamente de uma ação para a outra, inspirado, por assim dizer, pela velocidade de seu movimento nas proximidades do próprio Sol.

5. Sobre os Planetas Benéficos e Maléficos

Uma vez que o que se segue é verdade, dois dos quatro humores são férteis e ativos, o quente e o úmido (porque todas as coisas são unidas e aumentadas por eles), e dois são destrutivos e passivos, o seco e o frio, através dos quais, mais uma vez, todas as coisas são separadas e destruídas, os antigos aceitavam dois dos planetas, Júpiter e Vênus, junto com a Lua, como benéficos por causa de sua natureza temperada e porque eles abundam no calor e na umidade, e Saturno e Marte como produzindo efeitos da natureza oposta, um por causa de seu frio excessivo e o outro por sua secura excessiva: o Sol e Mercúrio, no entanto, são considerados como possuindo ambos os poderes, porque eles possuem uma natureza comum, e juntam suas influências com quaisquer dos outros planetas com os quais eles são associados.

6. Sobre os Planetas Masculinos e Femininos

Mais uma vez, já que há dois tipos primários de natureza, masculino e feminino, e das forças já mencionadas a da umidade é especialmente feminina – pois de uma forma geral este elemento está presente em um grau maior em todas as fêmeas, e as outras estão mais presentes nos machos, de forma acertada a visão que nos foi passada é que a Lua e Vênus são femininas, porque elas compartilham em um grau maior da umidade, e que o Sol, Saturno, Júpiter e Marte são masculinos, e Mercúrio comum aos dois gêneros, pois ele produz tanto secura quanto umidade. Dizem também que as estrelas se tornam masculinas ou femininas de acordo com seus aspectos com o Sol, pois quando elas são estrelas da manhã e precedem o Sol elas se tornam masculinas, e femininas quando são estrelas da tarde e seguem o Sol. Isso também ocorre ainda com sua posição relativa ao horizonte, pois quando elas estão em posições entre o oriente e o meio-céu, ou ainda ente o ocidente e o fundo do céu, eles se tornam masculinas porque estão orientais, mas nos dois outros quadrantes, como estrelas ocidentais, elas se tornam femininas.

7. Sobre os Planetas Diurnos e Noturnos

De modo similar, já que dos dois intervalos mais óbvios entre aqueles que compõem o tempo, o dia é mais masculino por causa do seu calor e da sua força ativa, e a noite mais feminina por causa da sua umidade e do seu dom de repouso, a tradição em conseqüência estabeleceu que a Lua e Vênus são noturnos, o Sol e Júpiter diurnos, e Mercúrio comum do mesmo modo que antes, diurno quando ele é uma estrela da manhã e noturno quando dele é uma estrela da tarde.

Eles também associaram a cada um dos séquitos as duas estrelas destrutivas, mas não, desta vez, com base no princípio das naturezas similares, mas em seu oposto: pois, quando estrelas com a mesma características são unidas com aquelas de bom temperamento sua influência benéfica é aumentada, mas se estrelas dissimilares forem associadas com as destrutivas grande parte do seu poder de causar dano é aniquilado. Assim eles associaram Saturno, que é frio, ao calor do dia, e Marte, que é seco, à umidade da noite, pois desta forma cada um deles atinge uma boa proporção por mistura e se torna um membro efetivo do séqüito, o que concede moderação.

8. Sobre o Poder dos Aspectos com o Sol

Agora, preste atenção, da mesma forma, de acordo com seus aspectos com o Sol, a Lua e três de outros planetas sofrem aumento e diminuição de seus próprios poderes.

Pois ao aumentar da Lua Nova para o quarto crescente a Lua é mais produtora de umidade; na sua passagem de crescente para cheia, de calo; de cheia para minguante, de secura; de minguante para a ocultação, de frio.

Os planetas, no aspecto oriental, somente, são mais produtivos de umidade do nascente até a sua primeira estação (MC), de calor da primeira estação (MC) ao nascer da tarde, de secura do nascer da tarde à segunda estação (FC), de frio da segunda estação (FC) ao nascente.

E é claro que quando eles estão associados uns com os outros eles produzem muitas variações de qualidade no nosso ambiente, sendo a própria força de cada um na maior parte do tempo persistente, mas sendo modificada na quantidade pela força das estrelas que dividem a configuração.

9. Sobre o Poder das Estrelas Fixas

Como o próximo ponto, na ordem, é relatar as naturezas das estrelas fixas, com referência a seus poderes especiais, devemos afirmar suas características observadas em uma exposição como a das naturezas dos planetas, e em primeiro lugar aquelas que ocupam as figuras do próprio zodíaco.

As estrelas na cabeça de Áries, portanto, tem um efeito como o de Marte e de Saturno, misturados; as da boca, igual ao de Mercúrio e moderadamente o de Saturno; as da pata traseira igual ao de Marte e as da cauda igual ao de Vênus.

Sobre as estrelas de Touro, as que estão ao longo da linha onde a figura é cortada têm uma temperatura como a de Vênus e em certa medida como a de Saturno; as das Plêiades, como a da Lua e a de Júpiter; das estrelas na cabeça, a mais brilhante e de certa forma avermelhada das Híades, chamada a Tocha, tem uma temperatura como a de Marte; as outras, como a de Saturno e, moderadamente, como a de Mercúrio; aquelas da ponta dos chifres, como a de Marte.

Sobre as estrelas de Gêmeos, aquelas nos pés compartilham da mesma qualidade que Mercúrio e, em um grau menos, Vênus; as estrelas brilhantes nas coxas, a mesma de Saturno; sobre as duas estrelas brilhantes nas cabeças, a da cabeça da frente tem a mesma de Mercúrio; ela também é chamada a estrela de Apolo; a da cabeça que segue a primeira, a mesma qualidade que Marte; ela também é chamada a estrela de Hércules.

Sobre as estrelas de Câncer, as duas nos olhos produzem o mesmo efeito que Mercúrio, e, em um menor grau, Marte; aquelas das patas, o mesmo que Saturno e Mercúrio; o aglomerado parecido com uma nuvem no peito, chamado de a Manjedoura, o mesmo que Marte e a Lua; e as duas de cada lado dele, que são chamadas de Asses, o mesmo que Marte e o Sol.

Sobre as estrelas de Leão, as duas na cabeça agem da mesma forma que Saturno, e em menor grau, Marte; as três na garganta, da mesma forma que Saturno e em menor grau, Mercúrio; a estrela brilhante no coração, chamada Regulus, da mesma forma que Marte e Júpiter; aquelas nos quadris e a estrela brilhante na cauda, da mesma forma que Saturno e Vênus; e aquelas nas coxas, da mesma forma que Vênus e, em menor grau, Mercúrio.

Sobre as estrelas de Virgem, aquelas na cabeça e aquela sobre a ponta da asa do sul têm um efeito como o de Mercúrio, e, em menor grau, como o de Marte; as outras estrelas brilhantes da asa e as da guirlanda como o de Mercúrio, e em certa medida, o de Vênus; a estrela brilhante na asa do norte, chamada de Vindemiator, como o de Saturno e Mercúrio; a assim chamada Spica, como o de Vênus e em um menor grau, de Marte; aquelas nas pontas dos pés e do trem como o de Mercúrio e em um menor grau, Marte.

Sobre as estrelas das Garras do Escorpião, as que estão bem na extremidade exercem a mesma influência que Júpiter e Mercúrio; aquelas nas partes do meio o mesmo que Saturno e, em um menor grau, Marte.

Sobre as estrelas do corpo do Escorpião, as estrelas brilhantes da fronte agem da mesma forma que Marte em certo grau, Saturno; as três no corpo, sendo que a do meio é avermelhada e bastante brilhante e se chama Antares, o mesmo efeito de Marte e em algum grau, Júpiter; aquelas das juntas, o mesmo efeito de Saturno e, em algum grau, Vênus; aquelas no ferrão, o mesmo de Mercúrio e Marte; e o assim chamado aglomerado com aparência de nuvem, o mesmo de Marte e da Lua.

Sobre as estrelas em Sagitário, aquelas na ponta da sua flecha têm um efeito como o de Marte e da Lua; aquelas no arco e no ponto onde sua mão agarra o arco, como o de Júpiter e Marte; o aglomerado em sua fronte, como o do Sol e de Marte; aquelas no manto e em suas costas, como o de Júpiter e, em menor grau, de Mercúrio; aquelas em seus pés, como o de Júpiter e Saturno; o quadrado sobre a sua cauda, como o de Vênus e, em menor grau, de Saturno.

Sobre as estrelas de Capricórnio, aquelas nos chifres agem da mesma forma que Vênus, e em algum grau, Marte; aquelas na boca, como Saturno e, em algum grau, Vênus; aquelas nos pés e na barriga, como Marte e Mercúrio; e aquelas na cauda, como Saturno e Júpiter.

Sobre as estrelas em Aquário, aquelas nos ombros exercem uma influência como a de Saturno e a da Mercúrio, juntamente com aquelas do braço esquerdo e do manto; aquelas nas coxas, como a de Mercúrio em um maior grau e como a de Saturno em menor grau; aquelas no fluxo d’água, como a de Saturno e, em algum grau, como a de Júpiter.

Sobre as estrelas de Peixes, aquelas na cabeça do peixe mais ao sul agem da mesma forma que Mercúrio e de alguma forma como Saturno; aquelas no corpo, como Júpiter e Mercúrio; aquelas na cauda e na corda do sul, como Saturno, e em algum grau, Mercúrio; aquelas no corpo e na espinha dorsal do peixe do norte, como Júpiter e, em algum grau, Vênus; aquelas na parte norte da corda, como Saturno e Júpiter; e a estrela brilhante no nó, como Marte e, em algum grau, Mercúrio.

Sobre as estrelas em configurações ao norte do zodíaco, as estrelas brilhantes de Ursa Menor têm uma qualidade similar à de Saturno e, em menor grau, a de Vênus; aquelas na Ursa Maior, similar à de Marte; e o aglomerado da Coma Berenices sob a cauda do Urso, à da Lua e de Vênus; as estrelas brilhantes em Draco, à de Saturno, Marte e Júpiter; aquelas de Cepheus, à de Saturno e Júpiter: aquelas de Boötes, à de Mercúrio e de Saturno; a estrela chamada Arcturo, avermelhada brilhante, à de Júpiter e Marte; a estrela na Corona Septentrionalis, à de Vênus e Mercúrio; aquelas no Geniculator, à de Mercúrio; aquelas em Lyra, à de Vênus e Mercúrio; e da mesma forma aquelas em Cygnus. As estrelas em Cassiopeia têm os efeitos de Saturno e Vênus; aquelas em Perseus, de Júpiter e Saturno; o aglomerado no cabo da espada, de Marte e Mercúrio; a estrela brilhante em Auriga, de Marte e Mercúrio; aquelas em Ophiuchus, de Saturno e, em algum grau, Vênus; aquelas na sua serpente, de Saturno e Marte; aquelas em Sagitta, de Marte e, em algum grau, de Vênus; aquelas em Aquila, de Marte e Júpiter; aquelas em Delphinus, de Saturno e Marte; as estrelas brilhantes no Cavalo, de Marte e Mercúrio; aquelas em Andrômeda, de Vênus; aquelas no Triangulum, de Mercúrio.

Sobre as estrelas nas formações ao sul do zodíaco, a estrela brilhante na boca do Piscis Australis tem uma influência similar à de Vênus e Mercúrio; aquelas em Cetus, similar à de Saturno; sobre aquelas em Órion, as estrelas em seus ombros têm influências similares à Marte e Mercúrio; e as outras estrelas brilhantes são similares à de Júpiter e Saturno; das estrelas em Eridanus, a última brilhante tem uma influência como a de Júpiter e as outras, como a de Saturno; a estrela em Lepus, como a de Saturno e Mercúrio; das em Canis, as demais como a de Vênus, e a brilhante na boca, como a de Júpiter e, em menor grau, Marte; a estrela brilhante Procyon, como a de Mercúrio e, em menor grau, a de Marte; as estrelas brilhantes em Hydra, como a de Saturno e Vênus; aquelas em Crater, como a de Vênus, e em um menor grau, de Mercúrio; aquelas em Corvus, como a de Marte e a de Saturno; as estrelas brilhantes de Argo, como a de Saturno e Júpiter; das estrelas de Centaurus, as no corpo humano, como a de Saturno e Júpiter, e as brilhantes no corpo eqüino como a de Vênus e Júpiter; as estrelas brilhantes em Lupus, como a de Saturno e, em menor grau, a de Marte; aquelas em Ara, como a de Vênus e, em menor grau, Mercúrio; e as estrelas brilhantes em Corona Austrais, como a de Saturno e Mercúrio.

Assim, então, são as observações dos efeitos das próprias estrelas como feitas pelos nossos predecessores.

10. Sobre os Efeitos das Estações e dos Quatro Ângulos

Das quatro estações do ano, primavera, verão, outono e inverno, a primavera excede em umidade por causa da sua difusão após o frio ter ido e porque o aquecimento está se estabelecendo; o verão, em calor, por causa da proximidade do sol com o zênite; o outono, em secura, por causa da absorção da umidade durante a estação quente que a precedeu; e o inverno excede no frio, porque o sol está no ponto mais distante do zênite.

Por esta razão, embora não haja um início natural do zodíaco, sendo ele um círculo, assume-se que o signo que começa com o equinócio vernal, ou seja, o de Áries, seja o ponto inicial de todos, tornando a umidade excessiva da primavera a primeira parte do zodíaco, como se ele fosse uma criatura vivente, e tomando por ordem em seguida as estações remanescentes, porque em todas as criaturas, as idades mais jovens, como a primavera, tem uma maior quantidade de umidade e são mais tenras e ainda delicadas.

A segunda idade, até o ápice da vida, excede em calor, como o verão; a terceira, quando o ápice já passou e se está no início do declínio, há um excesso de secura, como no outono; e a última, que se aproxima da dissolução, excede no frio, como o inverno.

De forma similar, das quatro regiões e ângulos do horizonte, dos quais, a partir dos pontos cardeais, os ventos se originam, o leste do mesmo modo excede em secura porque, quando o sol está nesta região, qualquer coisa que tenha sido umedecida pela noite começa então a secar, e os ventos que sopram desta região, os quais chamamos de Apeliotes, em geral, são sem umidade e de efeito secante.

A região ao sul é a mais quente por causa do calor abrasivo das passagens do sol pelo meio do céu e porque essas passagens, por causa da inclinação do nosso mundo habitado, se voltam mais, e os ventos que sopram de lá são chamados pelo nome geral de Notus e são quentes e rarefeitos.

A região ao oeste é ela mesma úmida, porque quando o sol está lá as coisas que secaram durante o dia começam então a se umedecer; da mesma forma, os ventos que ventam desta parte, que chamamos pelo nome geral de Zephyrus, são frescos e úmidos.

A região ao norte é a mais fria, porque através da inclinação do nosso mundo habitado ela é muito afastada das causas de aquecimento que surgem pela culminação do sol, e quando o sol está lá, também está em sua culminação mínima; e os ventos que ventam de lá, que são chamados pelo nome geral de Boreas, são frios e de efeito condensador.

O conhecimento destes fatos é útil para permitir que se forme um julgamento completo das temperaturas em exemplos individuais. Pois é facilmente reconhecido que, junto com condições como essas, de estações, de idades, ou de ângulos, há uma variação correspondente na potência das faculdades das estrelas, sendo que em condições similares a elas sua qualidade é mais pura e sua eficiência mais forte, como por exemplo aquelas que por sua natureza aquecem, por exemplo, no calor, e aquelas que por sua natureza umedecem, na umidade, enquanto que sob condições opostas seu poder fica adulterado e mais fraco. Assim, as estrelas que aquecem nos períodos frios e as estrelas que umedecem nos períodos secos ficam mais fracas, e de forma similar nos outros casos, de acordo com a qualidade produzida pela mistura.

11. Sobre os signos Solsticiais, Equinociais, Sólidos e Bicorpóreos

Após a explicação destas matérias o próximo assunto a ser exposto seriam as características naturais dos próprios signos zodiacais, da forma que foram estabelecidas pela tradição. Pois, embora seus temperamentos mais gerais sejam, cada um, análogos às estações que ocorrem neles, algumas qualidades peculiares suas surgem de sua relação com o Sol, a Lua e os planetas, como iremos relatar no que se segue, primeiro expondo os poderes isolados dos próprios signos sozinhos, considerados tanto absolutamente como em relação uns com os outros.

As primeiras distinções, então, são entre os assim chamados signos solsticiais, equinociais, sólidos e bicorpóreos.
Pois existem dois signos solsticiais, o primeiro intervalo de 30° a partir do solstício de verão, o signo de Câncer, e o primeiro a partir do solstício de inverno, Capricórnio; e eles receberam seus nomes do que ocorre neles, porque o Sol retorna quando ele está no começo de um desses signos e reverte seu progresso latitudinal, causando o verão em Câncer e o inverno em Capricórnio.

Dois signos são chamados de equinociais, o que é o primeiro a partir do equinócio da primavera, Áries, e o que começa com o equinócio do outono, Libra; e eles também recebem este nome devido ao que acontece neles, porque quando o sol está no começo destes signos ele faz as noites terem a exata mesma duração dos dias.

Dos signos restantes, quatro são chamados sólidos e quatro são chamados bicorpóreos.

Os signos sólidos, Touro, Leão, Escorpião e Aquário, são aqueles que seguem os signos solsticiais e equinociais; e eles são chamados assim porque quando o Sol está neles a umidade, o calor, a secura e o frio das estações que começam nos signos precedentes nos toca de forma mais firme, não que o clima seja naturalmente de qualquer modo menos ameno nesta época, mas nós é que estamos mais acostumados a eles e por esta razão somos mais sensíveis a seu poder.

Os signos bicorpóreos, Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes, são aqueles que seguem os signos sólidos, e são chamados assim porque eles estão entre os signos sólidos e os solsticiais e equinociais e compartilham, por assim dizer, no começo e no final, as propriedades naturais dos dois estados do clima.

12. Sobre os Signos Masculinos e Femininos

Novamente, da mesma forma, os antigos apontaram seis dos signos como de natureza masculina e diurna e um número igual como da natureza feminina e noturna.

Uma ordem alternante foi imposta a eles porque o dia sempre domina a noite e está sempre próximo dela, e do mesmo modo são a fêmea e o macho.

Assim, como Áries é considerado o ponto inicial pelas razões que mencionamos, e como o macho da mesma forma comanda e possui o primeiro lugar, uma vez que, também, o ativo é sempre superior ao passivo em poder, os signos de Áries e Libra foram considerados como masculinos e diurnos, sendo que uma razão adicional é o fato de que o círculo equinocial que é inscrito através deles completa o movimento mais poderoso e primário de todo o universo. Os signos em sucessão após eles correspondem, como dissemos, em ordem alternada.

Alguns, no entanto, empregam uma ordem de signos masculinos e femininos pela qual o masculino se inicia com o signo que está ascendendo, chamado de horóscopo. Pois, da mesma forma que alguns começam os signos solsticiais com o signo da Lua porque a Lua muda de direção de forma mais rápida do que o resto, da mesma forma eles começam os signos masculinos com o horóscopo porque ele está mais para o leste, alguns, como antes, utilizando a ordem alternada dos signos, e outros os dividindo por quadrantes inteiros, e designando como matutinos e masculinos os signos do quadrante do horóscopo ao meio do céu e os do quadrante oposto, do ocidente ao fundo do céu, e como vespertinos e femininos os outros dois quadrantes.

Tem outras descrições para os signos, derivadas de seus formatos: eu me refiro, por exemplo, a “de quatro patas”, “terrestres”, “comandantes”, “fecundos”, e designações similares. Consideramos que a enumeração destas denominações, já que sua razão e sua significação são diretamente deriváveis, são supérfluas, uma vez que a qualidade resultante destas conformações pode ser explicada em conexão com as predições onde isto for claramente útil.

13. Sobre os Aspectos dos Signos

Das partes do zodíaco, as que são mais familiares umas com as outras são as que estão em aspecto. Estes são os que estão em oposição, que compreende dois ângulos retos, seis signos, e 180 graus; os que estão em trígono, que compreende um ângulo reto e um terço, quatro signos, e 120 graus; os que se diz que estão em quartil, compreendendo um ângulo reto, três signos, e 90 graus, e finalmente os que ocupam a posição de sêxtil, que compreende dois terços de um ângulo reto, dois signos e 60 graus.

Iremos aprender, do que se segue, porque apenas estes intervalos foram levados em consideração.

A explicação da oposição é imediatamente óbvia, porque ela faz com que os signos estejam em uma linha reta. Mas se tomarmos as duas frações e os dois superparticulares mais importantes em música, e se as frações um meio e um terço forem aplicadas à oposição, compostas de dois ângulos retos, o meio faz o quartil (90º) e o terço o sêxtil e o trígono. Dos superparticulares, se o sesquialter e o serquitertian forem aplicados ao intervalo de quartil de um ângulo reto, que se posiciona entre eles, o sesquialter produz a proporção do quartil para o sêxtil e o sesquitertian a proporção do trígono para o quartil. Destes aspectos, o trígono e o sêxtil são chamados de harmônicos porque eles são compostos de signos do mesmo tipo, tanto completamente de signos femininos ou completamente de signos masculinos; enquanto o quartil e a oposição são inarmônicos porque são compostos de signos de tipos opostos.

14. Sobre Os Signos Comandantes e Obedientes

Da mesma forma, os nomes “comandantes” e “obedientes” se aplicam às divisões do zodíaco que se dispõem em distâncias iguais do mesmo signo equinocial, qualquer que seja, porque eles ascendem em um período igual de tempo e estão em paralelos iguais. Destes, os que estão no hemisfério de verão são chamados de “comandantes”, enquanto os que estão no hemisfério de inverno, “obedientes”, porque o sol faz o dia mais longo que a noite quando ele está no hemisfério de verão, e mais curto no inverno.

15. Sobre os Signos que se Observam e sobre os Signos de Mesmo Poder

Mais uma vez, dizem que as partes que estão igualmente afastadas do mesmo signo tropical, qualquer que seja, têm o mesmo poder, porque quando o Sol entra em qualquer um deles, os dias são iguais aos dias e as noites às noites, e as durações das suas próprias horas são iguais. Eles também são considerados como “observando” uns aos outros tanto pelas razões apresentadas quanto pelo fato de que o par ascende pela mesma parte do horizonte e se põe na mesma parte.

16. Sobre os Signos Disjuntos

Signos “disjuntos” e “estranhos” são os nomes aplicados para aquelas divisões do zodíaco que não têm quaisquer das familiaridades mencionadas acima uns com os outros. Esses são os signos que não pertencem nem à classe dos signos Comandantes ou Obedientes, nem à classe dos que se observam ou que têm o mesmo poder, e além disso eles estão completamente desprovidos dos quatro aspectos mencionados acima, oposição, trígono, quadratura e sêxtil, e estão um ou cinco signos distantes um do outro, pois aqueles que estão um signo distantes uns dos outros são como se tivessem aversão uns aos outros, e, embora sejam dois, estão ligados ao ângulo de um, e aqueles que estão cinco signos distantes uns dos outros dividem o círculo inteiro em partes diferentes, enquanto que os outros aspectos perfazem uma divisão eqüitativa do perímetro.

17. Sobre os Domicílios dos Diversos Planetas

Os planetas também têm familiaridade com as partes do zodíaco, que devido a isso são denominadas seus domicílios, triângulos (triplicidades), exaltações, termos, entre outros.

O sistema de domicílios é da seguinte natureza. Uma vez que dos doze signos os mais ao norte, que estão mais próximos do que os outros do nosso zênite e são portanto mais produtores de calor são Câncer e Leão, designaram estes dois signos como domicílios dos maiores e mais poderosos corpos celestiais, ou seja, os luminares, Leão, que é masculino, ao Sol e Câncer, que é feminino, à Lua.

Com o mesmo raciocínio, consideraram o semicírculo de Leão a Capricórnio como solar e o de Aquário a Câncer como lunar, de forma que em cada um dos semicírculos um signo seria consignado a cada um dos cinco planetas como seu, um signo fazendo aspecto com o Sol e outro com a Lua, consistentemente com as esferas de seu movimento e as peculiaridades de suas naturezas.

Pois a Saturno, em cuja natureza o frio prevalece, em oposição ao calor, e que ocupa a órbita mais alta e mais distante dos luminares, foram designados os signos opostos a Câncer e Leão, especificamente Capricórnio e Aquário, com a razão adicional que estes signos são frios e invernais, e além disso seu aspecto diamétrico não é consistente com a beneficência.

A Júpiter, que é moderado e está abaixo da esfera de Saturno, foram designados os dois signos próximos dos anteriores, fecundos e com bastante vento, Sagitário e Peixes, em um aspecto triangular com os luminares, que é uma configuração harmoniosa e beneficente.

Então, a Marte, que é seco por natureza e ocupa uma esfera abaixo da de Júpiter, foram designados novamente os signos contíguos aos anteriores, Escorpião e Áries, que possuem uma natureza similar e, de forma concordante com a Natureza destrutiva e desarmônica de Marte, em aspecto de quadratura com os luminares.

A Vênus, que é temperada e está abaixo de Marte, foram dados os dois signos seguintes, que são extremamente férteis, Libra e Touro. Estes dois preservam a harmonia do aspecto sêxtil; outra razão é que este planeta nunca está mais de sois signos afastado do Sol, em qualquer direção.

Finalmente, foram dados a Mercúrio, que nunca está mais de um signo afastado do Sol em qualquer direção e está abaixo dos outros e mais perto de certa forma de ambos os luminares, os dois signos remanescentes, Gêmeos e Virgem, que estão próximos dos domicílios dos luminares.

O Tetrabiblos de Ptolomeu – Parte I

O Tetrabiblos de Ptolomeu – Parte II