Traduções

Um Zodíaco e Horóscopo Fragmentário Romano de Cesaréia Marítima

symbolisme des quadrants et signes du zodiaque. Lequerq

A. Ovadiah & S. Mucznik

Em memória de Raphael Giveon

Tradução:
Samanta Mello
Tradutora e Professora de Inglês
samattei2@gmail.com

Um objeto de madeira descoberto há cerca de dez anos na área de Cesaréia Marítima1 possui elementos de um zodíaco com Sol Invictus no centro, de um lado, enquanto que o outro lado possui diversos sinais lineares e elementos, os quais são todos, provavelmente, referentes a um horóscopo.2

1. As fotografias do objeto em discussão foram dadas a nós pelo falecido Prof. Raphael Giveon do Departamento de Arqueologia e Civilizações do Antigo Oriente Próximo, Universidade de Telaviv. O objeto encontra-se em uma coleção privada anônima. As medidas do objeto (ambos os lados) são as seguintes: 5,4 cm de comprimento; 1 cm de  Largura.

2. Para horóscopos, consulte Vitruvius: IX. iii (232-235), IX.v (240-245), IX.viii.12 -15 (264-267); Manilius; Ptolomeu: I.12, II.5, III.2, III.4 -11, IV.10 (68-71, 162-165, 190-191 [nn 1-2], 205-210, 228-235, 241-317, 442-455); Fankhauser, 1939; Neugebauer, 1943: 115-126; por fragmentos de textos referentes a alguns horóscopos antigos, ver Pintaudi – Neugebauer de 1982: 258-260; Pintaudi – Neugebauer, 1983: 103; Neugebauer – Sijpesteijn , 1980: 163-164; Bouché-Leclercq, 1979: 256-310, 372-456; DAGR II, 1963: 303-305; V, 1919: 1053-1054, ver também DAGR III.1 de 1963: S.V. “Horologium”, 256-264; S.V. “Divinatio”, 302ff. Sobre astronomia e astrologia, consulte Vitruvius: IX.VI (244-247); DAGR I.1, 1962, sv “Astronomia”, 476-504; RE II.2, 1896: S.V. “Astrologie”, cols. 1802-1828; S.V. “Astronomie”, cols. 1828-1860; Barton, 1994. Ver também: Stageiritis II, 1816: 273-286; Cumont, 1912: 43-44, 49, 62, 71-72, 81-89.

The wooden fragmentary. Face A e Face B (2)

As duas partes mostradas nas fotografias indicam que as mesmas constituem um objeto. A representação do zodíaco e seus elementos sobreviventes são apresentados dentro de dois círculos concêntricos. Acima do Sol Invictus, um animal completamente esquemático aparece dentro de um quadro cuneiforme. É possível discernir um corpo cilíndrico com uma pequena cabeça esquemática contendo chifres e uma juba adjacente, uma cauda curta e quatro pernas em posição de corrida. Este animal claramente se parece com a representação do Carneiro (Áries ou Κρίος) da roda do zodíaco.3 O quadro ao lado, do lado direito, contendo outro signo, está tão deteriorado que se torna impossível de decifrar. Os dois outros signos restantes estão posicionados abaixo do Sol Invictus central e representam Virgem (Virgo ou Πάρθενος) à esquerda e Escorpião (Scorpio ou Σκόρπιος) à direita. A cauda venenosa curvada de Escorpião é claramente mostrada juntamente com as múltiplas pernas de cada lado de seu corpo, e as duas pinças. O que resta da Virgem são apenas os dois pés e o vestido longo que cobre suas pernas e corpo, bem como seu braço direito, o qual provavelmente está segurando um jarro. A figura parece estar representada frontalmente. Embora estes dois signos estejam representados de uma forma bastante plana, estilizada e esquemática, seus contornos são bastante claros e podem ser identificados; eles aparecem dentro de quadros cuneiformes semelhantes aos do Carneiro acima.

3. Bouché-Leclercq, 1979: 130-132 (fig. 3); EAA VII, 1966: 1275 (fig. 1408) 1276 (fig. 1409).

A figura do Sol Invictus, que aparece dentro de um quadro oval, no centro do Zodíaco fragmentário, é retratado em uma posição livre; sua pose é heróica e causa espanto e admiração. Seu corpo está virado para a esquerda em uma pose de contraste; sua mão direita está levantada e sua mão esquerda está provavelmente abaixada. Sua cabeça é representada de perfil, com algum tipo de chapéu encimado por raios de sol. Ele veste uma túnica curta com dobras esquemáticas e possui uma estola com bordas franjadas flutuantes sobre parte superior de seu corpo. Esta figura também é tão esquemática, plana e estilizada quanto os signos do Zodíaco acima mencionados. Quatro estrelas aparecem simetricamente em ambos os lados das pernas.

De acordo com os restos fragmentários, é possível reconstruir o Zodíaco completo. Os signos estão dispostos no sentido horário da seguinte maneira: Carneiro (ÁriesΚρίος), Peixes (PiscesΊχθύεσ) Carregador de água (Aquárioϓδροχόος), Capricórnio (CapricornusΑίγόκερως), Arqueiro (SagitárioΤοξότης), Balança (LibraΖυγός), Escorpião (ScorpioΣκόρπιος), Virgem (Virgo – Πάρθενος), Leão (LeoΛέων), Caranguejo (CâncerΚαρκίνος), Gêmeos (GeminiΔίδυμοι), Touro (TaurusΤαύρος). Geralmente é aceito começar o ano com o equinócio da primavera e o Carneiro, que é considerado o primeiro dos doze signos do Zodíaco Assim, no nosso caso, o Zodíaco começa com o signo de Áries, que indica a primavera. É mais provável que este fosse um Zodíaco pessoal, juntamente com o horóscopo que é retratado do outro lado. Horóscopos pessoais existiam na antiguidade e até mesmo imperadores romanos os possuíam para uso privado e fins apotropaicos. O objeto em discussão também poderia ter sido um objeto apotropaico ou um amuleto, usado com a intenção de proteger o proprietário do perigo ou o do mau-olhado.

Parece possível supor que ele tenha pertencido a um marinheiro, com base na localização do achado (Cesaréia Marítima). Outros textos de horóscopo anônimos para fins privados, para acompanhar viagens marítimas, datados do quinto século depois de Cristo (1 de outubro 474 , 16 de julho 475 , 14 de julho 479) foram encontrados e, portanto,  existiam na antiguidade4. De acordo com a corografia de Cláudio Ptolomeu de Alexandria, geógrafo e astrônomo do século II, conforme interpretado por Bouché-Leclercq, Iduméia, Celessíria e Judéia estão situados dentro de um triângulo no sudeste da região central, influenciada pelo triângulo noroeste e seus signos são os do Carneiro e do Arqueiro. O signo de Carneiro corresponde a várias regiões terrestres, como a Bretanha, Gália, Germania, Bastarnia, Celessíria, Palaestina, Iduméia e Judéia5.

4. Dagron – Rougé, 1982: 117.
5. Bouché-Leclercq, 1979: 343-344.

L'astrologie

Os signos que aparecem no outro lado do objeto de madeira, embora espalhados por toda a sua superfície, parecem seguir certa ordem6. Ao longo da linha periférica alguns sinais lineares são representados enquanto as formas geométricas e uma forma parecida com uma cesta são retratados na parte interna. Alguns dos signos lineares podem ser decifrados, apesar do seu estado de preservação parcial. Começando no topo esquerdo e seguindo o sentido horário: dois sinais verticais parecem ser o signo de Gêmeos ou de Peixes. Próximo dali, um sinal em forma de V sem dúvida representa o signo de Touro. A identificação desses dois signos é quase certa, porque as suas formas, embora esquemáticas, são semelhantes à dos signos equivalentes em outros horóscopos antigos, em que também aparecem com a mesma proximidade7.

6. Em um manuscrito de Viena, os signos do horóscopo estão espalhados dentro de formas geométricas, juntamente com as palavras gregas: ώροσκόπος (horoscopos), μέσουράνημα (mesuranima) e κληρος τύχης  (kliros tyches); see DAGR V, 1919: 1054-1055 (fig. 7594).

7. Ver DAGR V, 1919: 1052-1053 (figs. 7591, 7593); EAA VII, 1966: 1275-1276 (figs. 1408- 1409); Bouché-Leclercq, 1979: 219 (fig. 27), 228 (fig. 28).

O terceiro signo (M) indica, possivelmente, Escorpião, embora em outros horóscopos este não seja colocado perto de Gêmeos e de Touro. Por outro lado, este sinal pode representar Marte ou Mercúrio como um planeta. O quarto signo, apenas parcialmente conservado pode ser completado com duas curvas em sua parte inferior. Se isso for correto, então este sinal representaria o caranguejo, que é geralmente colocado aos arredores do signo de Gêmeos. Na continuação desta linha periférica, os outros signos foram destruídos e somente na parte inferior direita do fragmento é possível observar a seta que representa o Arqueiro. Uma estrela aparece na contiguidade da seta no canto inferior esquerdo, possivelmente indicando a ordem celestial. Podemos supor que outras estrelas estavam espalhadas sobre a superfície deste fragmento. Estrelas com significado celestial relacionados com o horóscopo aparecem em relevo junto à figura de um leão, representando o horóscopo de Antíoco I Epifânio do primeiro século A.C., governante da dinastia, e que atualmente encontra-se in situ, na Nimrud Dagh ocidental, no Leste da Turquia.

Neste relevo, os planetas Júpiter, Marte e Mercúrio estão unidos na casa de Leão, prevendo o destino brilhante da criança real8. De acordo com outra teoria, o relevo do leão tem símbolos astronômicos: as dezenove estrelas vistas no fundo do relevo e no corpo do leão, a lua crescente em seu peito e a conjunção de três planetas correspondentes às palavras gregas para Júpiter, Mercúrio e Marte podem ser interpretados como a data de 07 de julho de 62 ou 61 A.C. Esta é a data em que Antíoco I Epifânio foi colocado no trono pelos romanos9.

8. DAGR V, 1919: 1047-1048 (fig. 7587); Hamdy Bey – Efendi, 1883: Ill. 24; Bouché-Leclercq, 1979, 480 (fig. 40). Para o significado do leão celestial e real, que carrega uma estrela em seu coração e é chamade  basiliskos (Regulus), veja Bouché-Leclercq, 1979, 139 e nn. 2-3, 373 e n. 1, 438-439 (fig. 41).

9. Akurgal, 1978: 351; Dörner, 1987: 237-240.

Em outro exemplo um leão e estrelas são representados em uma jóia mágica do final do Império; ao seu redor aparecem várias estrelas, semelhantes às do nosso objeto10.

10. Friedman, 1970: 70-71 (fig. 14), em um Zodíaco em baixo relevo de Argos, sete estrelas são espalhados ao redor da imagem de Selene, as quais representam os sete planetas, acompanhados por uma inscrição mágica de sete nomes bárbaros: veja DAGR V, 1919: 1051 (fig. 7590). Um segundo medalhão de jaspe do segundo século D.C. (11.9.195) mostrando o horóscopo pessoal de um bebê, apresenta o busto de Helios e três planetas e os signos do Zodíaco, consulte LIMC VI: sv Mercurius”, n. 353.

SR-Tower-of-Winds-elev

Na parte inferior da superfície do horóscopo, a forma octogonal é discernível, com o seu espaço interior dividido em oito triângulos por quatro longas linhas. As extremidades de duas das longas linhas são obliteradas, enquanto que as duas linhas restantes terminam, uma em forma de garfo e em formato quadrado, e a outra em forma de raio. Podemos assumir que, como a forma quadrada ainda existe, extremidade ausente das linhas termina da mesma forma. Sem dúvida, esta forma octogonal representa uma rosa dos ventos e das oito linhas radiais indicam os oito ventos. Em princípio, esta forma é uma reminiscência da Torre dos Ventos Octogonal em Atenas, também conhecida como o Horologium de Andrónico de Cirros (meados do primeiro século A.C.)11. No entanto, parece que os oito triângulos não podem ser as “casas” (οίκοι)12 dos planetas, que são em número doze no horóscopo13.

11. DAGR III.1, 1963: 259-260 (fig. 3887); Havelock, 1971: 79 (figs. 56-57); Lawrence, 1987: 310-314 (figs. 306-309), ver também Dinsmoor de 1975: 289.

12. Bouché-Leclercq, 1979: 182-192 (‘Domiciles des planètes’).

13. Entre as formas dos signos do horóscopo (σχήματα, σχηατισμοί, συσχηματισμοί – Configurações; οψεις – adspectus), que estão associados com a astrologia antiga (Bouché- Leclercq, 1979: 165-179), dois são apropriados ao nosso horóscopo: o diametral (Manilius: Introdução XLIV-XLV; 2,395-432; Bouché-Leclercq, 1979: 166-169 [fig. 18]) e as recapitulação dos aspectos (formas) (Bouché-Leclercq, 1979: 173 [. fig 22]).

A figura em forma de cesta descrita acima da Rosa dos Ventos é um elemento longo com uma base rapezoidal ampla e um corpo retangular em que aparecem algumas linhas verticais fragmentárias. Estas parecem ser chamas em um altar, talvez um eterno fogo aos deuses, que indica uma queima ritual de incenso. Isto pode simbolizar uma oferenda aos deuses ou, possivelmente, a um deus pessoal, pedindo proteção e ajuda para o proprietário do objeto.

Deve notar-se que a apresentação dos sinais tanto no Zodíaco quanto no horóscopo, esculpida sobre o objeto em discussão, diverge da ordem canônica dos signos. Isto pode derivar do fato de que tanto oSigno quanto o horóscopo são objetos pessoais. A localização da Balança (LibraΖυγός), geralmente posicionada entre Virgem (VirgoΠάρθενος) e Caranguejo (CâncerΚαρκίνος), difere, neste caso, do Zodíaco tradicional14.Com base na tunicatus Sol Invictus no Zodíaco e o altar em chamas, é possível sugerir que o objeto pode ser datado do período romano.

14. Um fenômeno semelhante pode ser observado no Zodíaco da antiga Sinagoga de Bete-Alpha, onde uma discrepância aparece entre os sinais e as estações do ano.

Asher OvadiahSonia Mucznik

Universidade de Tel Aviv

Cadran-solaire-signes-du-zodiaque

Abreviações e Bibliografia:

Abbreviations and Bibliography

Akurgal, 1978: E. Akurgal, Ancient Civilizations and Ruins of Turkey, Istanbul.

Barton, 1994: T. Barton, Ancient Astrology, London – New York.

Bouché-Leclercq 1979: A. Bouché-Leclercq, L’astrologie grecque, Paris.

Cumont 1912: F. Cumont, Astrology and Religion Among the Greeks and Romans, New York (repr. 1960).

DAGR I.1, 1962:

DAGR II, 1963: Ch. Daremberg – E. Saglio, Dictionnaire des antiquités grecques et romaines, Graz.

DAGR III.1, 1963:
DAGR V, 1912:

Dagron – Rougé, 1982: G. Dagron – J. Rougé, “Trois Horoscopes de Voyages en Mer (5e siècle après J.-C.)”, Revue des Études Byzantines 40, 117-133.

Dinsmoor, 1975: W. Dinsmoor, The Architecture of Ancient Greece, London.

Dörner, 1987: F.K. Dörner, Der Thron der Götter auf dem Nemrud Dag, Gütersloh.

EAA VII, 1966: Enciclopedia dell’Arte Antica, Classica e Orientale, Roma.

Fankhauser, 1939: A. Fankhauser, Horoskopie, Zürich – Leipzig.

Friedman, 1970: J.B. Friedman, Orpheus in the Middle Ages, Cambridge (Mass.).

Hamdy Bey – Efendi, 1883: O. Hamdy Bey – O. Efendi, Le tumulus de Nemroud-Dagh, Istanbul (repr.1987).

Havelock, 1971: Christine M. Havelock, Hellenistic Art, London.

Lawrence, 1987: A.W. Lawrence, Greek Architecture, Harmondsworth (Middlesex).

Manilius: Manilius, Astronomica (trans. G.P. Goold, The Loeb Classical Library, London Cambridge, 1977).

Neugebauer, 1943: O. Neugebauer, “Demotic Horoscopes”, Journal of American Oriental Society 63, 115-125.

Neugebauer – Sijpesteijn, 1980: O. Neugebauer – P.J. Sijpesteijn, “Fragment of an Astronomical Text”, Zeitschrift für Papyrologie und Epigraphik 39, 163-164.

Pintaudi – Neugebauer, 1982: R. Pintaudi – O. Neugebauer, “Oroscopo”, Zeitschrift für Papyrologie und Epigraphik 46, 258-260.

Pintaudi – Neugebauer, 1983: R. Pintaudi – O. Neugebauer, “Oroscopo”, Zeitschrift für Papyrologie und Epigraphik 50, 108.

Ptolemy: Ptolemy, Tetrabiblos (trans. F.E. Robbins, The Loeb Classical Library, London Cambridge, 1980).

RE II.2, 1896: A. Pauly – G. Wissowa – W. Kroll et alii (eds.), Real-encyclopädie der Classischen Altertumswissenschaft, Stuttgart.

Stageiritis, 1816: A. Stageiritis, Ώγυγία ή Αρχαιολογία (Ogygia or Archaeology), Vienna (repr. Athens 1994).

Suetonius: Suetonius, De Vita Caesarum (trans. J.C. Rolfe, The Loeb Classical Library, I-II, London – Cambridge, 1970).

Van der Waerden, 1952-1953: B.L. Van der Waerden, “History of the Zodiac”, Archiv für Orientforschung 16, 216-230.

Vitruvius: Vitruvius, De Architectura (trans. F. Granger, The Loeb Classical Library, II, London – Cambridge, 1962).

Categorias:Traduções